• Agenda

    abril 2012
    S T Q Q S S D
    « mar   maio »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

IPEA: Minas – estudo do IPEA revela que Minas Gerais tem o pedágio mais barato do pais. Rio de Janeiro é o mais caro e está 100% acima do valor cobrado pelo estado mineiro.

Fonte: Brasil Econômico

Concessões investem mais nas estradas do país

 IPEA: Minas tem o menor valor de pedágio do país

IPEA: Minas tem o menor valor de pedágio do país

Investimento por quilômetro nas rodovias concedidas ao setor privado é maior que nas públicas

Entre 2003 e 2011, o investimento por quilômetro nas rodovias concedidas ao setor privado passou de R$ 160 mil para R$ 254 mil. No mesmo período, nas estradas públicas federais esse valor passou de R$ 25 mil para R$ 177 mil por quilômetro. Segundo o estudo Rodovias Brasileiras: Investimentos, Concessões e Tarifas de Pedágio, elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), apesar de o crescimento ter sido maior nas estradas públicas, o investimento por quilômetro nas rodovias concedidas sempre foi superior ao aplicado nas públicas.

O principal motivo, segundo o Ipea, é a diferença na extensão das malhas. A malha rodoviária concedida, que inclui estradas federais e estaduais, representa 15.234 quilômetros, enquanto as estradas federais sob administração pública somam 57.157 quilômetros. “Portanto, mesmo que o investimento público em rodovias seja maior que o privado (em valores absolutos) quando o dividimos pelas extensões das respectivas malhas apresenta-se uma situação inversa”, aponta o estudo.

Minas Gerais tem o menor valor de pedágio: R$ 6,46 por 100 Km. O Rio é o mais caro, R$ 12,93 por 100 Km

Pedágio

Ipea também concluiu que o investimento médio por quilômetro nas vias concedidas ao setor privado tende a se estabilizar, principalmente porque, após os investimentos iniciais de recuperação, essas rodovias passam a apresentar um bom padrão de qualidade. Nas rodovias federais, o investimento médio por quilômetro tende a continuar crescendo, já que 30% da malha são classificadas como péssimas e ruins.

O Ipea também verificou que as tarifas médias de pedágio para sete estados brasileiros apresentam variação. Minas Gerais tem o menor valor: R$ 6,46 por 100 quilômetros. O Rio é o mais caro, com tarifa de R$ 12,93 por 100 quilômetros.

Coragem: Artigo do Senador Aécio Neves

Fonte: artigo senador Aécio Neves – Folha de S.Paulo

Coragem

Há 250 milhões de celulares em uso no país. É espantoso, principalmente quando se sabe que somos hoje cerca de 200 milhões de brasileiros.

Trata-se de uma conquista de toda a sociedade, mas que só pode ser celebrada porque houve, no passado, um governo com coragem para desencadear o processo de privatização da telefonia. Ou, melhor, de democratização da telefonia brasileira.

Lembro os anos 90, quando o PSDB anunciava que, em pouco tempo, todo cidadão brasileiro teria o seu celular. Poucos acreditavam que tamanha mudança seria possível em tão pouco tempo.

É um saldo gratificante para quem, à época, enfrentou incompreensões de toda ordem e duríssimo combate político. Da mesma forma como no passado foi contra a Lei de Responsabilidade Fiscal e o Plano Real, bases sobre as quais se construíram os avanços recentes registrados pelo país, o PT também posicionou-se contra as mudanças na área da telefonia.

Falava-se de “alienação do patrimônio nacional” – como se pudesse ser riqueza nacional o elitista, exclusivista, caro e precário serviço oferecido então pelo Estado na área das telecomunicações.

Foi uma longa travessia até o inevitável reconhecimento dos incontestáveis benefícios garantidos aos brasileiros pelo acesso amplo e irrestrito às novas tecnologias.

No Brasil de hoje, o celular é o telefone do trabalhador. Cerca de 80% das linhas em funcionamento são pré-pagas. Milhões de outras garantem acesso à internet e, com ela, o acesso à informação, ao conhecimento, à mobilização.

Em plano ampliado, fica cada vez mais nítido o gigantesco esforço realizado para tentar demonizar o processo de transformações estruturais do país, iniciado no governo Fernando Henrique.

Neste caso, de forma simplista, buscou-se criar um “inimigo imaginário” chamado privatização, que passou a ser alvo de ataques ensaiados e refrões repetidos à exaustão, pouco importando se, no fundo, ninguém soubesse exatamente do que estava falando.

As restrições ideológicas à privatização são, hoje, página virada na história do país. Vide, por exemplo, as concessões iniciadas, ainda que tardiamente, para a administração dos aeroportos.

Incoerências à parte, resultados como esse deveriam inspirar quem tem responsabilidade de governar.

Basta caminhar pelo país para constatarmos a urgente e gigantesca demanda por transformações de fundo, que superem gargalos, atrasos e paralisias. Não avançaremos o necessário se nos esforçarmos para ter apenas mais do mesmo. O principal atributo de um governo deve ser a coragem. Coragem para fazer o que precisa ser feito.

AÉCIO NEVES escreve nesta coluna às segundas-feiras.

Link do artigo: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/38698-coragem.shtml

Gestão Deficiente do PT: DNIT cancela editais – processo cheio de falhas deixa mais incertezas sobre a segurança nas estradas mineiras.

Gestão Deficiente do PT: DNIT cancela editais

Fonte: Mateus Parreiras – Estado de Minas

Suspensos editais para recuperar BRs

NOVELA – Dnit cancela todos os processos para restaurar rodovias federais em MG, por falhas nas licitações. Última baixa foi a 381

 Gestão Deficiente do PT: DNIT cancela editais

Todos os editais em Minas Gerais para recuperação de rodovias federais do programa Restauração e Manutenção – Crema 2ª Etapa, do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), foram revogados porproblemas nos processos licitatórios. O cancelamento das obras de restauração da BR-381 foi o último prego no caixão das concorrências marcadas para este ano em Minas, que beneficiariam 579 quilômetros de rodovias, ao custo de R$ 330,6 milhões. Dos oito editais de obras do programa que foram revogados ou suspensos neste ano em todo Brasil, metade se encontra em Minas. São contratos de recuperação e conservação das BRs 295/474, 381, 365 e 153. Também houve cancelamentos em Alagoas, Bahia, Mato Grosso e Rio Grande do Norte.

O único trecho da 381 que seria beneficiado pelo Crema tem 96 quilômetros, entre Governador Valadares (Vale do Rio Doce) e a divisa com o Espírito Santo. Seu orçamento era de R$ 58.771.729,57.  Com a revogação das obras, o trecho perderá, além da recomposição do pavimento, dos meios-fios e das sarjetas, a substituição de um quilômetro de rede de drenagem, recomposição de barreiras danificadas e instalação de 95 bueiros, estruturas essenciais para manter a via em funcionamento durante o período chuvoso, intenso no Vale do Rio Doce. Além disso, a manutenção que seria firmada por cinco anos e a recomposição de faixas, zebrados, cercas, defesas metálicas e a substituição de 225 metros quadrados de placas reflexivas por 610 metros quadrados, não será mais feita.

O cancelamento do processo deixa ainda mais incertezas sobre a segurança na estrada, uma vez que a duplicação do trecho anterior, entre Belo Horizonte e Governador Valadares – chamado de Rodovia da Morte, por registrar o maior número de óbitos em rodovias mineiras -, ainda está congelada em Brasília, enquanto técnicos do Dnit definem o projeto executivo. Os editais cancelados em todo o Brasil tinham orçamento previsto de R$ 1,06 bilhão para cobrir uma malha de 1.735 quilômetros.

Apesar de não estar compreendido na Rodovia da Morte, o trecho que ficará sem recuperação e conservação da BR-381 é caminho de muitos mineiros com destino ao Espírito Santo e foi local de acidentes graves este ano. Um dos mais recentes ocorreu no dia 13, quando um jovem motociclista tentou desviar de um dos buracos da estrada e perdeu o controle da moto que pilotava. Ralph Marques da Costa, de 25 anos, seguia para o Espírito Santo. O veículo saiu da estrada numa curva e Ralph se chocou contra uma árvore, morrendo na hora. Cinco dias antes, dois veículos bateram num trecho próximo a Governador Valadares deixando nove feridos, entre eles duas idosas, uma criança de 3 anos e outra de 5.

PROMESSA DE R$ 17,6 BILHÕES O programa de restauração e manutenção das rodovias federais foi criado para melhorar, reparar e manter conservados trechos rodoviários em todo o país, com recursos da ordem de R$ 17,6 bilhões para reparar 32 mil quilômetros de vias no país. De acordo com despacho do Dnit, no caso da BR-381 algumas discrepâncias entre as empreiteiras concorrentes e o projeto causaram a revogação. Entre os motivos estavam problemas nos ensaios, cálculos e laudos conclusivos da viabilidade técnico-econômica da utilização de pedreiras, areais e cascalheiras próximas aos trechos de realização das obras “e que não têm licenciamento ou lavra concedida identificados no site do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), mas podem ser objeto de prévio bloqueio das jazidas no DNPM, ou que têm menor distância de transporte”.

O Estado de Minas procurou ontem a assessoria de imprensa do Dnit, mas ninguém foi encontrado para comentar o assunto.

Link da matéria: http://impresso.em.com.br/app/noticia/cadernos/politica/2012/04/23/interna_politica,33214/suspensos-editais-para-recuperar-brs.shtml