• Agenda

    julho 2011
    S T Q Q S S D
    « jun   ago »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728293031
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Andrea Neves sobre Itamar: Ele fez parte de uma geração para a qual imagem pública era consequência e não produto a ser construído

Itamar

FonteArtigo Andrea Neves da Cunha* – Estado de Minas

O tempo abraçou e levou Itamar da mesma forma que já levou outros grandes brasileiros. Mas, como eles, de alguma forma, Itamar permanecerá conosco

OPINIÃO
O tempo é hóspede compulsório na vida de cada um de nós.

Se apresenta dócil no primeiro encontro e se porta como convidado discreto nos primeiros aniversários de nossos filhos.

Aos poucos, vai perdendo a cerimônia, invade espelhos e planta cansaço e saudade no quintal.

Às vezes finge desaparecer apenas para nos assustar ao surgir, de repente, na nova voz de um filho, no primeiro namorado de uma filha.

Ele também faz mágica: leva embora nossos pais e amigos e nos transforma, subitamente, em sobreviventes.

Tempo.

O tempo abraçou e levou Itamar da mesma forma que já levou outros grandes brasileiros. Mas, como eles, de alguma forma, Itamar permanecerá conosco.

Alguns o reencontrarão nos livros de história. Outros, nas próprias memórias.

Mas cada um de nós poderá se reencontrar cotidianamente com Itamar no amor por Minas e no respeito pela política. Na impaciência com o ambiente menor da atividade pública onde florescem a ausência de escrúpulos e a mesquinharia pessoal.

Isso porque Itamar foi um apaixonado por Minas e pela política. Não fazia concessões. Não media palavras. Em diversos momentos foi incompreendido. Quanto mais o tempo passava, mais intolerante ficava com aqueles que usam o espaço da representação pública mais para se vingar de adversários do que para trabalhar pelo bem comum. Não se incomodava de ser polêmico: tinha um trabalho maior a fazer. Ele fez parte de uma geração para a qual imagem pública era consequência e não produto a ser construído.

Lembro-me das nossas conversas e das suas ternas manifestações de afeto. Das campanhas eleitorais me vêm à memória a alegria quase infantil, a indignação juvenil, a disposição infindável, mesmo quando o corpo, cansado, pedia repouso. Durante agendas exaustivas, enquanto nós nos preocupávamos com ele, era conosco que ele se preocupava.

Drummond dizia que carregava seus mortos do lado esquerdo e que, por isso, andava meio de banda.

Imersa em memória, sei que, a partir de hoje, caminharei com nova saudade ao meu lado.

Em 1976, em homenagem ao presidente Juscelino que acabara de falecer, meu avô, o então deputado Tancredo Neves, fez um discurso no Congresso Nacional que se tornou conhecida peça de oratória. Ele iniciava assim suas palavras:

“No elogio fúnebre de De Gaulle, no seu inimitável Quando os carvalhos se abatem, o talento literário de Malraux nos narra cena simples e comovente que presenciou, quando, em Colombey-les-Deux-Églises, era dado à sepultura o corpo do grande herói francês. Uma fila de fuzileiros navais, eretos e firmes, apresentava armas ao cortejo que desfilava, contendo uma multidão que atrás de si se apinhava. Eis que do meio dela se destacava uma mulher do povo, uma pobre camponesa de xale preto, humilde e triste, que, dirigindo-se a um daqueles militares, com voz altiva e enérgica, reclamou: ‘por que não me deixam passar? A ordem é para todos’, foi a resposta ríspida e seca. Malraux, que assistia ao diálogo, pousou a sua mão no ombro do marinheiro e ponderou: ‘Deixe-a passar. O general ficaria satisfeito. Ela fala como a França.’ Fazendo meia-volta, sem pronunciar uma palavra, sem mexer um só músculo, ainda apresentando armas e abrindo um claro, por ele penetra, coxeando, aquela francesa obscura e anônima. Nesse episódio, Malraux sentiu e viu, através de estranho e misterioso simbolismo, um apresentar de armas à França eterna, miserável e fiel.”

Lembrei-me desse trecho quando escolhia as palavras para manifestar a minha imensa tristeza pela morte de Itamar. Apoio-me nelas para fazer uma analogia afetiva e respeitosa.
Nesta segunda-feira, quando, em silêncio, recebermos o corpo do ex-presidente, vou me lembrar que sua voz altiva nasceu sempre do seu coração e da sua consciência. Que ele sempre caminhou de cabeça erguida. E que, por isso, ele sempre falou e caminhou como Minas.

Obrigada, presidente!

*Andrea Neves da Cunha – Jornalista e presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas)   

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: