• Agenda

    setembro 2010
    S T Q Q S S D
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    27282930  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Expansão: produção agrícola de Minas cresce 14,3% e supera média nacional, Plano de Governo de Anastasia fortalece ainda mais o setor

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Valor do café se destaca com aumento de 32% em relação ao ano passado e a safra deste ano deve bater R$ 7,3 bilhões

A renda da produção agrícola de Minas Gerais este ano chegará à cifra de R$ 16,5 bilhões, com crescimento de 14,3% em relação ao ano passado. Será o maior valor registrado no Estado nos últimos seis anos. O crescimento estimado para Minas supera o da média nacional que será de apenas 0,18%, com um valor de R$ 163,7 bilhões. Os números foram divulgados nesta terça-feira (14/09) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O estudo foi feito com base na média de preços e das estimativas de produção dos 20 principais produtos agrícolas brasileiros. Em Minas Gerais, o maior destaque foi o café. O valor da produção cafeeira estimado para este ano é de R$ 7,3 bilhões. Um crescimento de 32% em relação ao ano passado. Minas é o maior produtor nacional de café. A safra deste ano está estimada em 24,4 milhões de sacas. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o crescimento será de 24,7% em relação ao ano passado.

A cana-de-açúcar ocupa a segunda posição na lista da produção agrícola de maior valor em Minas Gerais. Neste ano, o valor bruto da produção estadual de cana deverá ser de R$ 2,6 bilhões. O Estado irá colher uma safra recorde este ano de 58,1 milhões de toneladas destinadas às usinas de açúcar e álcool. O crescimento é de 16,5% em relação ao ano passado. Minas Gerais é o segundo maior produtor de cana-de-açúcar no país, atrás apenas do Estado de São Paulo. O estudo do Ministério da Agricultura também mostra que as culturas da soja e batata também tiveram bom desempenho em Minas Gerais em 2010.

Mais investimentos no agronegócio

Na última semana, o governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição pela Coligação “Somos Minas Gerais”, lançou seu Plano de Governo com propostas e ações para o desenvolvimento do agronegócio mineiro para o período de 2011 a 2014. A cafeicultura e pecuária leiteira, duas das principais atividades econômicas em Minas, receberão tratamento especial, com a criação os programas Pró-Café e Pró-Leite. Os dois programas irão coordenar todas as ações do governo nessas áreas, com o Fundo Estadual do Café, outra inovação propostas por Anastasia.

No Norte do Estado, o governador Anastasia quer concluir as etapas III e IV do Projeto Jaíba, um dos maiores programas de irrigação da América Latina, apoiando a expansão da estrutura logística de exportação de frutas. Os agricultores familiares também serão beneficiados com o fortalecimento de programas de assistência técnica e de agregação de valor à produção.

O governador também irá ampliar o trabalho de certificação de produtos já realizado pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e irá solicitar à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) o reconhecimento oficial de Minas Gerais como área livre de febre aftosa sem a necessidade de vacinação do rebanho. A medida visa ampliar a participação de Minas Gerais no mercado internacional.

Plano de Governo do governador Antonio Anastasia

Propostas e ações para a Agricultura no período de 2011 a 2014

• Expandir a atuação preventiva dos órgãos do sistema de defesa social, criando um programa de proteção às áreas rurais em conjunto com participação ativa das polícias militar e civil;

• Estimular a inclusão do produtor rural como produtor de biomassa e fornecedor para usinas de álcool, siderúrgicas, celulose e outros, como alternativa ao modelo de monocultura executado pelas próprias empresas;

• Criar os Programas Pró-Café e Pró-Leite, para incentivar e fortalecer o agronegócio mineiro;

• Criar o Fundo Estadual do Café;

• Articular, junto ao Governo Federal, a implantação da Política Nacional de Comercialização do Café, a fim de evitar perdas aos produtores, estimular a exportação e controle da qualidade do produto;

• Desenvolver e ampliar as certificações IMA/Inmetro visando agregar valor, com prioridade para produtos tradicionais de Minas Gerais;

• Ampliar os circuitos de cafeicultura, leite, fruticultura e dos concursos de qualidade de café, do queijo minas artesanal e outros;

• Concluir as etapas III e IV do Projeto de Desenvolvimento Regional do Jaíba e apoiar a expansão da logística para exportação de frutas e outros produtos produzidos no projeto;

• Obter da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), o reconhecimento oficial de Minas Gerais como área livre de febre aftosa sem vacinação;

• Ampliar aquisição de alimentos da merenda escolar advindos da agricultura familiar;

• Fortalecer o programa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) para apoiar todos os programas de fortalecimento e avanço da agricultura familiar;

• Implantar um programa para apoiar a comercialização da agricultura familiar nos âmbitos municipal, regional, estadual e nacional;

• Investimento em infraestrutura para escoamento da produção. Entre as propostas estão a pavimentação de 7,6 mil quilômetros de estradas com o programa Caminhos de Minas e ações para viabilizar a implantação de portos fluviais no Triângulo Mineiro, e a construção do ramal ferroviário Unaí-Pirapora.

Governo Anastasia encerra dia 17 inscrição para 70 cursos de educação profissional, meta é oferecer 400 mil vagas nos próximos 4 anos

 

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Nesta sexta-feira (17/09), encerram-se as inscrições para a próxima etapa do programa que já oferece 70 cursos técnicos

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, criará, nos próximos quatro anos, 400 mil novas vagas em todo o Estado para o Programa de Educação Profissional (PEP). A ampliação do número de vagas do PEP está incluída no Plano de Governo de Antonio Anastasia, lançado na semana passada, e atenderá à crescente demanda dos jovens e adultos mineiros por mais e melhores oportunidades de acesso à formação profissional em nível técnico. O programa atende, atualmente, 137 mil pessoas mineiros de 380 municípios mineiros, oferecendo, gratuitamente, 70 diferentes cursos técnico-profissionalizantes. O Governo de Minas está recebendo, até a próxima sexta-feira (17/09), as inscrições para nova etapa do PEP que oferecerá mais 30.752 vagas em todo o Estado, a partir de janeiro do ano que vem. Ao todo, o PEP atenderá 168 mil estudantes até 2011.

As inscrições podem ser feitas por meio do site www.educacao.mg.gov.br <http://www.educacao.mg.gov.br> . As vagas disponibilizadas são para 70 cursos profissionalizantes nas áreas de segurança no trabalho, manutenção de aeronaves, mineração, informática, mecatrônica, estética, nutrição e dietética, farmácia, análises clínicas, meio ambiente, entre outros.Para concorrer a uma das vagas os candidatos devem ser alunos do 2° e 3° ano do ensino médio da rede pública estadual ou terem concluído o ensino médio em qualquer rede. Os inscritos farão uma prova de seleção, prevista para o dia 17 de outubro. As aulas serão iniciadas a partir de fevereiro de 2011.

Os cursos são oferecidos em escolas credenciadas (Sistema S e particulares), em escolas públicas conveniadas e em escolas da rede estadual. O catálogo com a lista completa de cursos oferecidos pode ser acessado no ambiente virtual do PEP

(http://wrk.educacao.mg.gov.br/pep2011/cand/catalogo.pdf)

Formação profissional

Desde que foi lançado o programa, em 2007, o Governo de Minas já investiu R$ 439 milhões no Programa de Ensino Profissionalizante. Somente para os cursos que serão realizados em 2011 estão previstos R$ 119,9 milhões. O governador Antonio Anastasia destacou que o Programa de Ensino Profissional garante aos estudantes mineiros não só o aprendizado, mas uma profissão.

“Este programa quer oferecer aos alunos da rede pública do Estado o aprendizado e, ao mesmo tempo, uma profissão. Já atendemos, em quatro anos, 137 mil jovens e eu vou aumentar para 400 mil no próximo mandato. Nesses cursos com duração de um, dois anos, o jovem também sai ali com sua formação”, afirmou Antonio Anastasia.

Minas lidera o ranking da educação de qualidade no país. Em 2009, os alunos matriculados nos anos iniciais do ensino fundamental tiveram o melhor desempenho do Brasil, com Ideb de 5,8. Essa é a meta do Ministério da Educação para 2011, sendo que a meta para 2009 era de 5,3. Os alunos que conquistaram o 1º lugar no país são exatamente os primeiros que ingressaram na rede pública aos 6 anos, iniciativa pioneira que o Governo de Minas adotou em 2004.

“Somos Minas Gerais” desmente afirmações incorretas de Hélio Costa

Nota de esclarecimento

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

A Coligação “Somos Minas Gerais” esclarece que:

1 – É incorreta a declaração feita pelo candidato do PMDB, Hélio Calixto Costa, de que o Governo de Minas não assinou o PAC das Cidades Históricas. Na verdade, o Governo de Minas é parceiro do Governo Federal neste programa desde o lançamento no Estado, realizado em Ouro Preto, em 21 de outubro de 2009 , com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do então governador Aécio Neves.

Na mesma ocasião, o Governo de Minas, por meio da Cemig, o Governo Federal, por meio do Iphan, e o presidente da Associação das Cidades Históricas de Minas Gerais assinaram protocolo de intenções para implantação de cabeamento subterrâneo em 27 cidades históricas no Estado, em substituição à rede elétrica existente. Um investimento R$ 34 milhões divididos igualmente entre o Governo de Minas e o Governo Federal. O processo de transferência da rede elétrica encontra-se atualmente em entendimentos entre a Cemig e empresas de telefonia.

O Governo de Minas e a Superintendência do Iphan em Minas Gerais, órgão ligado ao Governo Federal, já finalizaram também os documentos necessários ao convênio do PAC das Cidades Históricas, e aguardam apenas o fim do período eleitoral para a assinatura do mesmo. O Estado interrompeu a assinatura de quaisquer convênios no período de três meses que antecedem à data das eleições em cumprimento da lei eleitoral.

2 – Ao contrário do que disse o candidato Hélio Calixto Costa, o Hospital Regional de Varginha não é estadual.

Mesmo não tendo a gestão sob a responsabilidade do Estado, o Hospital Regional de Varginha já recebeu R$ 4,3 milhões em investimentos do Governo do Estado desde 2003. Apenas no último mês, foram repassados R$ 330 mil, através do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos SUS Minas Gerais (ProHosp).

Os recursos foram aplicados na compra de material para a maternidade e UTI neonatal, no atendimento e na construção da Casa da Gestante de Alto Risco, compra de equipamentos e na manutenção e custeio do hospital. Os investimentos feitos pelo Estado permitiram melhorias que credenciaram o hospital junto ao SUS para realizar cirurgias cardíacas.

Belo Horizonte, 15 de setembro de 2010.

“Minas é sempre livre, Minas é sempre autônoma”, diz Anastasia

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Em Lavras, Anastasia, Aécio e Itamar defendem a soberania dos mineiros para escolher quem irar governar Minas nos próximos anos

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, afirmou, nesta quarta-feira (15/09), em Lavras (Sul de Minas), que os mineiros são livres e possuem a autonomia necessária para escolher o candidato mais adequado para conduzir o futuro do Estado. Ao lado do ex-governador Aécio Neves e do ex-presidente Itamar Franco, candidatos ao Senado, Anastasia afirmou, para um público de 1.500 pessoas que o acompanhou durante caminhada na cidade, que sua candidatura nasceu em Minas e para os mineiros.

“A minha candidatura à reeleição é uma candidatura nascida de Minas, de Minas e para Minas. Somos nós que decidimos as eleições do Estado, sabemos que o futuro de Minas é aqui decidido. Minas é sempre livre. Minas é sempre autônoma. Fizemos muitas obras em Minas inteira e tive a honra de suceder Itamar e Aécio. Sabemos o que foi feito e não preciso aqui fazer plano de obras, porque povo, o mineiro confia e sabe. Quero continuar para trabalhar por Minas e pelo povo mineiro”, afirmou Antonio Anastasia.

Emocionado com a recepção entusiasmada da população de Lavras, o ex-governador Aécio Neves afirmou que os mineiros saberão reconhecer o candidato que realmente está a serviço dos mineiros.

“Dentro de 15 dias, não estaremos apenas escolhendo que o governador de Minas seja deste ou daquele partido. O que vamos escolher é o que queremos para o futuro do nosso Estado. Se queremos um governo subjugado, subalterno e dependente da amizade desse ou daquele governante. Ou se por outro lado, queremos um governo altivo, respeitado, porque respeita as forças de Minas, porque representa o sentimento de Minas Gerais”, afirmou Aécio Neves, em seu discurso.

Multidão nas ruas.

A população de Lavras saiu em peso às ruas para acompanhar a visita de Antonio Anastasia, Aécio Neves e Itamar Franco. Uma multidão acompanhou a caminhada dos candidatos na cidade. Antonio Anastasia convocou os mineiros a apoiar a proposta da coligação, que pretende manter os avanços nas realizações que foram empreendidas pelo Governo de Minas nos últimos oito anos.

“Assumo o compromisso de dar sequência firme ao que foi feito nos últimos anos e cada vez mais temos a estima de batermos no peito e dizer: somos mineiros, somos de Minas Gerais, e de todos os nossos municípios e é isso que nos inspira e nos estimula. Precisamos garantir a vitória e peço o trabalho de cada um, o esforço. Estamos do lado do bem. Estamos do lado da ética. Somos os candidatos das mãos limpas a favor de Minas Gerais”, disse o governador.

Os candidatos foram recebidos no aeroporto da cidade, pela prefeita Jussara Menicucci de Oliveira (PSDB) e prefeitos da região. Eles seguiram em carreata até o centro, onde pararam para uma caminhada. Na esquina das ruas Francisco Salles e Francisco de Andrade, uma multidão recebeu os candidatos com festa e fogos de artifício. Mais cedo, os candidatos também visitaram Campo Belo (Centro-Oeste) e Três Pontas (Sul de Minas).

Campo Belo

Em Campo Belo, no início da tarde, os candidatos da coligação “Somos Minas Gerais” participaram de carreata pelas ruas do Centro da cidade. No trajeto pela avenida Floriano Peixoto, eles foram saudados por diversos eleitores que acenavam para os candidatos e demonstravam apoio à reeleição de Antonio Anastasia. Em seguida, os candidatos fizeram uma caminhada pela avenida Afonso Pena e tiraram fotos com diversos moradores da cidade.

Centenas de pessoas e várias lideranças políticas da região acompanharam a visita dos candidatos a Campo Belo. O prefeito da cidade, Tarcisio Cambraia (PTB), disse que a reeleição do governador Antonio Anastasia é a garantia de continuidade do bom trabalho desenvolvido na região nos últimos oito anos.

“É um homem extraordinário, que faz muito por nossa região. Conheço Anastasia já há bastante tempo, conheço o trabalho dele, sua capacidade e simplicidade. É o apelo de toda a região. Não tenho nem dúvida que é o melhor nome para governar o Estado”, afirmou.

Pesquisas eleitorais mostram vontade do eleitor, diz Danilo de Castro que rebate questionamento de Hélio Costa

Fonte: Coligação ”Somos Minas Gerais”

Coordenador da campanha da Coligação Somos Minas Gerais e ex-secretário do Governo responde aos questionamentos feitos por Anderson Adauto e Hélio Costa

Pesquisas eleitorais mostram vontade do eleitor, diz coordenador da campanha de AnastasiaO coordenador da campanha da Coligação Somos Minas Gerais e ex-secretário do Governo Danilo de Castro respondeu, nesta quarta-feira (15/09), a suspeição que vem sendo feita pela campanha adversária sobre as pesquisas eleitorais que mostram a virada da candidatura do governador Antonio Anastasia na disputa pelo Governo de Minas.

O ex-secretário disse que causa estranheza o fato de que coordenador da campanha do PMDB, Anderson Adauto, e o candidato Hélio Calixto Costa nunca antes terem questionado as pesquisas eleitorais, mas apenas agora que elas passaram a indicar a liderança de Anastasia na preferência dos mineiros.

“É até engraçado, e causa estranheza, eles virem a público dar declarações de desconfiança sobre as pesquisas eleitorais. Eles pareciam acreditar nelas antes, quando eram favoráveis a eles. Nós, ao contrário, nunca duvidamos da capacidade e do potencial do governador Antonio Anastasia. Ele conquistou a liderança na disputa em Minas, e diferentes institutos de pesquisas mostram isso, porque é um homem simples, extremamente preparado para governar o Estado, verdadeiramente compromissado com os interesses de Minas, e não com um projeto político externo aos mineiros. O que as pesquisas mostram é a vontade do eleitor, e cada vez mais eleitores querem Anastasia governador”, disse Danilo de Castro.

Anastasia afirma que sua candidatura à reeleição representa a vontade de um grupo mineiro de líderes da sociedade civil e da política

 

Durante sabatina na Faculdade de Direito da UFMG, o governador disse que suas propostas buscam o avanço de Minas Gerais de forma altiva e autônoma

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

O governador Antonio Anastasia afirmou, na noite desta quarta-feira (15/09), que sua candidatura à reeleição representa a vontade de um grupo de mineiros que busca o avanço de Minas Gerais de forma altiva e autônoma. Durante sabatina com dezenas de universitários e professores da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), na Casa Afonso Pena, em Belo Horizonte, Anastasia disse que quer realizar uma administração para os mineiros, levando inovações aos atuais programas sociais em execução no Estado.

“Uma candidatura gerida, gerada em Minas, de Minas e para Minas. De mineiros. Uma candidatura que pretende que o Estado avance de maneira altaneira, com nossa autonomia, com nossos predicados e com as nossas características. Para isso, preciso do voto dos 14 milhões de eleitores mineiros”, disse Anastasia, durante sua explanação. O governador também lembrou que a sua candidatura nasceu naturalmente em Minas Gerais, representando a vontade de um grupo mineiro de lideranças políticas e da sociedade civil organizada.

“As circunstâncias me levaram a ser identificado por esse conjunto de forças mineiras, prefeitos, deputados, líderes, entidades empresariais, da sociedade, das universidades como aquele nome que seria o mais adequado para dar continuidade a um novo modo de governar que busca na eficiência, na probidade, no respeito, na responsabilidade e na sensibilidade os resultados para oferecer às pessoas”, completou.

Debate se transforma em sabatinaA intenção dos organizadores do evento era promover um debate entre os principais postulantes ao cargo de governador de Minas Gerais, mas o candidato do PMDB/PT, Hélio Calixto Costa, recusou o convite. Anastasia aproveitou o encontro para apresentar as propostas de seu Plano de Governo e para reiterar o seu pedido do voto consciente dos mineiros, sem a ilusão das falsas promessas do período eleitoral.

“Preciso da adesão consciente a essas propostas que não significa apenas o voto. Significa o voto convicto. O voto de saber que estamos no caminho certo, da retidão, da responsabilidade, não das promessas vãs e das ilusões que, como um castelo de cartas, desmancha com muita facilidade no ar. No decorrer das eleições é muito fácil criar factóides. Criar falsos números para tentar mascarar a nossa realidade. Mas o mineiro é muito sábio”, disse Antonio Anastasia.

Em sua apresentação, Antonio Anastasia, lembrou que em 1982, como membro da direção do Centro Acadêmico da Faculdade de Direito da UFMG, participou do debate na primeira eleição direta para governadores depois do início do regime militar. Ele ressaltou a importância do confronto de ideias e propostas em um processo eleitoreiro.“Me lembro perfeitamente da organização e de como foi o debate, muito rico, recebendo os candidatos, inclusive o governador Tancredo Neves que se elegeu depois para presidente da República. Havia um clima de eletricidade no ar, como hoje. É claro que naquela época tinha o conteúdo distinto de hoje. Muitos de nós, a maioria esmagadora, estavam votando pela primeira vez. E ainda íamos esperar sete anos para votar pela primeira vez para presidente em 1989. Os tempos eram outros, mas que fazem parte da nossa história. Por isso, estou aqui não só por respeito aos estudantes, até porque todos merecem ouvir nossas opiniões, programas e propostas”, afirmou.

Propostas

Com a ausência do candidato Hélio Calixto Costa no debate, Antonio Anastasia foi sabatinado pelos próprios estudantes e professores. O governador teve a oportunidade de apresentar as propostas de seu Plano de Governo e fazer um balanço das ações dos governos Aécio/Anastasia, como, por exemplo, na área de segurança pública.

Anastasia afirmou que, mais importante que a questão repressiva, são os investimentos em prevenção, que incluem ações nas áreas sociais, como educação e geração de postos de trabalho.“Todos os nossos esforços nos últimos anos colocaram Minas em 17º ou 18º lugar no ranking de homicídios elaborado pelo Ministério da Justiça, uma posição teoricamente razoável. Multiplicamos por cinco o número de vagas no sistema penitenciário. Implantamos o Programa Fica Vivo! para limitar a criminalidade entre os jovens. Também temos o Programa Educacional de Resistência às Drogas nas escolas, em parceria com a Polícia Militar. Mas tudo isso será mais efetivo se tivermos mais emprego de qualidade no Estado. Porque com mais empregos e melhores salários, teremos uma redução ainda mais expressiva”, disse.

Democratização do acesso à Justiça

O governador respondeu à pergunta de um grupo de estudantes sobre as propostas de melhoria na Defensoria Pública e democratização do acesso à Justiça.

“A Defensoria Pública no Estado passou por uma crise. Da mesma forma que outras instituições, não recebia investimentos. E houve um processo de esvaziamento. Mas ao longo dos últimos anos, a Defensoria Pública foi o órgão que teve matematicamente o seu orçamento mais aumentado no Estado. Mesmo assim, sabemos que está aquém das necessidades. E mais do que isso há a necessidade de aumentar o seu quadro de pessoal. Temos hoje 440 defensores públicos e já está autorizado desde o ano passado concurso para 150 vagas. Nossa proposta é continuar aumentando gradativamente o número de defensores”, destacou.

Aprovação

Ex-colega de classe e do Centro Acadêmico, Ana Maria Amorim Rebouças disse que o governador, ainda com 19, 20 anos, já se destacava por sua inteligência e integridade. “O Anastasia sempre foi um homem de bem, honesto e de capacidade incomparável para apresentar soluções inovadoras aos problemas colocados. Sem dúvida, é o melhor para governar Minas”, defendeu. Maria Coeli Simões Pires, professora da UFMG que conheceu Antonio Anastasia no mestrado, em 1983, e assim como ele participou da elaboração da Constituinte Mineira, falou sobre a competência do governador.

“Ele acabava de se formar naquela época e já era conhecido por seu preparo e brilhantismo. Por isso, mais que meu apoio, ele tem minha confiança. Vejo na figura dele a vontade de servir à administração pública e aos mineiros. E acredito que ele terá voos ainda mais altos, porque é jovem, determinado, generoso e político hábil e respeitado, como tem se revelado”, elogiou.

O ex-aluno Samuel Guimarães foi à faculdade rever aquele que considera o melhor professor. “Ele impunha respeito pelo conhecimento e pontualidade, conseguia passar a matéria difícil de forma clara e bem humorada. Ninguém conversava na aula, a atenção era máxima. Conquistou nossa amizade e admiração. Sou grato por ter tido a oportunidade de ter aprendido tanto com ele. Aliás, foi o professor que nos incentivou a gostar de Direito Administrativo e de política. E é por todas as qualidades que o professor deve continuar a governar”, pontuou.

Carreira

Formado em Direito, Antonio Anastasia dedica-se há 26 anos à administração pública, participando da vida política de Minas. Atuou em importantes momentos da história do Estado, como a Constituinte Mineira, entre 1988 e 1989, e, desde então, sua vida profissional é dedicada à administração e à defesa dos interesses de Minas. Antonio Anastasia foi secretário de Estado de Planejamento e Gestão, no início do Governo Aécio Neves, e foi o responsável pela implantação do Choque de Gestão, conjunto de medidas administrativas que permitiram a recuperação das finanças do Estado e a retomada dos investimentos nas áreas social e de infraestrutura.

Antonio Anastasia criará o Currículo do Trabalhador para assegurar mão-de-obra qualificada em Minas

Programa aumentará a escolaridade do trabalhador, garantirá qualificação profissional e experiência prática de trabalho

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, criará em Minas Gerais o Currículo do Trabalhador, programa inovador que auxiliará os trabalhadores mineiros a encontrarem novas oportunidades de emprego. O programa é uma dos 365 compromissos do Plano de Governo de Antonio Anastasia, lançado na semana passada. O Currículo do Trabalhador permitirá que trabalhadores desempregados com baixa escolaridade possam reforçar seus currículos, criando novas oportunidades no mercado de trabalho e garantindo mais qualificação à mão-de-obra em Minas.

No programa, o trabalhador passará por um período de 12 a 18 meses de preparação para o mercado de trabalho. Aquele que não tiver concluído o Ensino Fundamental será encaminhado a um curso supletivo na rede pública de ensino para terminar os estudos. Em seguida, passará por um curso de capacitação de acordo com sua habilidade ou com a vocação da região onde morar.

Com o curso de capacitação profissional, o trabalhador será encaminhado a um posto de trabalho, onde atuará por três meses com os salários custeados pelo Estado. As vagas serão criadas dentro dos próprios órgãos estaduais (escolas, postos de saúde, autarquias, fundações, entre outros), no Sistema S (Senai e Sesc) e empresas parceiras. Ao final do período estipulado, o trabalhador terá escolaridade, qualificação profissional e experiência prática, um currículo completo para entrar no mercado de trabalho.

Antonio Anastasia destacou a importância do programa na inserção do trabalhador ao mercado de trabalho. Segundo ele, o Currículo do Trabalhador garantirá oportunidade de progredir e se manter no emprego.

“Com esse programa, o trabalhador mineiro vai encontrar e manter o seu trabalho. Hoje, o mercado de trabalho exige três componentes: escolaridade, qualificação e experiência. Para isso, vamos garantir as condições para que cada trabalhador termine a sua formação escolar. Vamos fazer também com que todo trabalhador possa ter o seu curso de qualificação profissional e vamos remunerar durante três meses aqueles que participarem do programa”, afirmou o governador.

Agentes de trabalho

Para garantir a implantação do programa Currículo do Trabalhador, o Governo de Minas contará com os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e escolas da rede pública em todo o Estado. Nesses locais, agentes de trabalho acompanharão o cumprimento das metas dos trabalhadores na conclusão do ensino fundamental, nos cursos de profissionalização até a inserção no mercado de trabalho.

O governador Antonio Anastasia afirmou ainda que o Currículo do Trabalhador interromperá um ciclo cruel de degradação que envolve toda a família quando um dos membros está desempregado e consegue retornar ao mercado de trabalho. Também contribuirá para que o jovem, que ainda não tem experiência de mercado, possa conseguir o primeiro emprego.

“Assim vamos ajudar trabalhadores adultos a voltar ao mercado de trabalho e vamos ajudar o jovem a conseguir o primeiro emprego, acabando com o ciclo que aflige a tantos pais e mães de família, que vêem seus filhos não conseguirem emprego porque não tem experiência, porque não conseguem uma primeira oportunidade”, disse.

Emprego para os jovens

Outra importante iniciativa do Plano de Governo de Antonio Anastasia voltada para a geração de empregos é o programa Rede Mineira de Inclusão dos Jovens. Por meio do programa, todos os alunos que concluírem o Ensino Médio pela rede pública terão a oportunidade de trabalhar durante três meses, com salários também custeados pelo Governo do Estado em órgãos estaduais ou em empresas parceiras.

“Durante três meses, todo aluno que se formar no ensino médio terá oportunidade de trabalhar, ser remunerado por isso e ganhar experiência fundamental para entrar bem no mercado de trabalho”, afirmou o governador Antonio Anastasia.

Mais emprego

Os esforços do governador Antonio Anastasia para o desenvolvimento da economia mineira fizeram com que no primeiro trimestre de 2010, Minas apresentasse um crescimento de 12%, um percentual maior que o do Brasil e até da China. Minas é o segundo polo gerador de empregos com carteira assinada no país.

Desde 2003, foram gerados 1 milhão 180 mil empregos, um desempenho que mereceu a manifestação do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, que aplaude as iniciativas adotadas por Anastasia e das parcerias firmadas pelo Governo de Minas para garantir trabalho e renda ao trabalhador mineiro. Com Anastasia, segundo o ministro Carlos Lupi, Minas vai continuar avançando.

“A principal marca de um governo republicano, que respeita a vontade do povo, é fazer parceria indistintamente. Parcerias para gerar emprego. Parcerias para gerar cidadania. Parcerias que estão dando certo. O povo de Minas sabe disso. Por isso ele quer continuar avançando, com parcerias, com responsabilidade, respeitando o direito do povo de Minas. É isso que o Anastasia, com certeza, irá fazer à frente do Governo do Estado”, enfatiza o ministro Carlos Lupi.

Esse reconhecimento aos esforços do Governo de Minas se traduz no crescimento do Estado acima da média nacional. Minas foi o estado do Sudeste que teve o maior crescimento de empregos nos últimos 12 meses e é também o estado do Sudeste que teve maior crescimento na geração de empregos em 2010. Nos últimos 12 meses, Minas gerou mais empregos do que a média brasileira. A Região Metropolitana de Belo Horizonte tem a menor taxa de desemprego do País.

Propostas e metas

O Plano de Governo de Antonio Anastasia com propostas e metas para o período de 2011 a 2014 está disponível para consulta da população pela internet. O documento denominado “Minas de Todos os Mineiros – As Redes Sociais de Desenvolvimento Integrado” inclui 365 compromissos para melhorar a qualidade de vida da população, os indicadores sociais do Estado e aumentar a renda dos mineiros.

A íntegra do Plano de Governo de Antonio Anastasia está disponível na internet (http://www.anastasia2010.com.br/#plano_de_governo) para que todos os cidadãos mineiros possam conhecer as suas propostas para o período 2011-2014. Os mineiros também poderão dar novas sugestões para ampliar as propostas do Plano de Governo.

O caminho proposto é assegurar o desenvolvimento em todas as regiões do Estado, interiorizando ações e programas de governo nas áreas de saúde, educação, habitação, infraestrutura dos municípios, geração de empregos, entre outros.

O Plano de Governo foi elaborado por um conjunto de 150 profissionais e especialistas de reconhecida atuação em diversos segmentos da sociedade, sob a coordenação do sociólogo Cláudio Beato e dividido em sete áreas, denominadas redes. São elas: Rede Gestão Eficiente, Rede de Atendimento em Saúde, Rede de Educação e Desenvolvimento, Rede de Infraestrutura, Rede de Desenvolvimento Social, Proteção e Segurança; Rede Desenvolvimento Sustentável e Cidades; e Rede de Identidade Mineira.

Plano de Governo do governador Antonio Anastasia: Conheça o Plano de Governo de Antonio Anastasia <http://www.anastasia2010.com.br/#plano_de_governo>

Antonio Anastasia afirma: Combater as desigualdades regionais é um compromisso

Fonte: Amanda Almeida e Bruno Mateus – Estado de Minas

“Combater as desigualdades regionais é um compromisso”

O candidato à reeleição ao governo de Minas, Antonio Augusto Anastasia (PSDB), acusou o PT de não se preocupar com uma “boa gestão pública”, uma das principais bandeiras dos tucanos. Segundo ele, essa é a maior diferença entre o PSDB e o partido aliado ao seu principal concorrente ao Palácio da Liberdade, Hélio Costa (PMDB). “Para que o PT possa esconder, digamos assim, essa sua não preocupação com a gestão pública, ele, de maneira completamente equivocada e de maneira enganosa, diz que se preocupar com a questão pública é algo frio. É algo que não leva à inclusão. É algo neoliberal”, afirmou o governador, em sabatina promovida pela Revista Ragga, Ragga Drops, Estado de Minas e Diários Associados, na manhã de ontem.

Anastasia respondeu a perguntas de estudantes da Escola Estadual Antônio Carlos, do Centro Universitário de Belo Horizonte (UNI-BH) e do Colégio Marista, no Espaço Cultural do Estado de Minas. O governador falou sobre suas propostas para os próximos quatro anos, caso seja reeleito, e destacou a continuidade e avanço de projetos bem-sucedidos do ex-governador e candidato ao Senado Aécio Neves (PSDB). Questionado sobre educação, ele disse que o grande desafio é superar a queda de qualidade do ensino público no Brasil, devido à expansão de vagas. Segundo ele, o governo Aécio já deu grandes passos com a reforma da estrutura física de escolas públicas que estavam “sucateadas” e investindo no salário de professores estaduais.

Os jovens participantes da sabatina provocaram Anastasia a falar sobre as diferenças entre PSDB e PT, ao pontuarem que cresceram com oito anos de governo federal petista e governo estadual tucano. O governador disse que ambos os partidos tiveram origem semelhante, pois surgiram da oposição à ditadura militar. “Mas há uma dessemelhança que, a mim, causa muito incômodo”, referindo-se a “uma falta de preocupação com a gestão pública”. Segundo ele, a promessa nunca cumprida de obras como a do Anel Rodoviário, em Belo Horizonte, e o atraso na entrega do pontilhão substituto ao macabro Viaduto das Almas, em Itabirito, na Região Central de Minas, poderiam ter avanços com uma melhor gestão.

Anastasia falou ainda sobre saúde, prometendo manter em funcionamento o hospital do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg) e descentralizar o atendimento de saúde, criando hospitais regionais. Na cultura, o governador disse que promoverá mais festivais culturais no interior do estado. Questionado sobre inclusão social, ele disse que ampliará o projeto Plug Minas, que atende jovens carentes. O candidato garantiu que investirá mais nas regiões Norte, Vale do Jequitinhonha e do Mucuri, para acabar com as desigualdades regionais. “É justo, porque são as regiões mais desiguais e carentes do estado.”

Anastasia ressaltou a importância do evento e aproveitou a ocasião para parabenizar os estreantes em eleições: “Cumprimento todos os jovens que estão votando pela primeira vez e iniciando a vida na democracia, o que é muito importante”. E fez um pedido: “Avaliem bem as propostas dos candidatos. Vocês terão tempo, ainda há três semanas para conhecer as propostas, os princípios, valores e, especialmente, quais são as ideias que têm amparo na realidade, aquelas que são possíveis de serem realizadas.”

No fim do encontro, o governador disse ter ficado satisfeito com a sabatina. “Foi um clima muito bom. São jovens interessados na política, com perguntas interessantíssimas, de profundidade. Fiquei muito satisfeito”, disse. O evento foi transmitido ao vivo pelo portal em.com <http://em.com> .

Confira, a seguir, trechos da sabatina:

SAÚDE
Qual é o seu projeto para o hospital do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais? A razão do questionamento é pela existência de uma conversa entre os funcionários públicos de que o atual governo pretende destinar o hospital ao atendimento a toda a população, em prejuízo dos servidores que fazem contribuição mensal para mantê-lo. Qual plano o senhor tem, se eleito, para a área da saúde do funcionário público e dos servidores?
Marcelo da Cruz Mattos, por e-mail

É bom esclarecer que em momentos de eleição sempre aparecem boatos e, infelizmente, com motivos não muito nobres. Essa pergunta é boa e quero ter a oportunidade de esclarecê-la. O hospital não só vai permanecer normalmente, como pela primeira vez na sua história está sendo reformado. O atendimento ao servidor continua muito forte e, mais do que isso, também pela primeira vez, conseguimos estendê-lo ao interior do estado, de maneira objetiva, por meio de convênios com hospitais locais. O hospital central continua sendo em Belo Horizonte, mas o servidor que está em Uberlândia, Montes Claros, para evitar que venha até aqui, tem lá o seu atendimento. O hospital da Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais continuará exatamente como está, melhorando a sua qualidade em razão da reforma que está em curso.

DROGAS E COMBATE AO TRÁFICO
Não é novidade que a droga e o tráfico se alastram não só pela capital, mas também pelas cidades do interior. O crack, em especial, chama a atenção. Como o senhor encara esse problema e, se eleito, como pretende atacá-lo?
Bruno Mateus, sub-editor da Revista Ragga
Temos que atuar em várias frentes: primeiro, a questão da prevenção para evitar que a pessoa fique viciada, uma vez que é uma doença. Há um programa da Polícia Militar chamado Proerd. A polícia vai às escolas públicas e privadas e faz uma demonstração de quais são os efeitos danosos da droga. O segundo passo é a saúde pública, o Programa Saúde da Família. Depois temos que combater o tráfico. Para isso, temos de ter colaboração do governo federal, porque a droga não é feita aqui, vem de fora, das nossas fronteiras, que, lamentavelmente, estão muito expostas. O terceiro, e mais importante, é evitar o consumo. Se não conseguimos prevenir, não vamos ajudar as pessoas que estão com a dependência química a sair dela. Nós temos um modelo, que é muito copiado por outros estados, e fazemos convênios com entidades da sociedade civil e instituímos nessas comunidades o tratamento, ora com o aspecto religioso, ora com o profissional, e todas as metodologias que existem para evitar que as pessoas continuem com essa dependência extremamente danosa não só a elas mesmas, mas para a família e seu aproveitamento social.

EDUCAÇÃO
O senhor vai promover o passe-livre para os estudantes?
Rafael Heleno, estudante
É bom lembrar o que pode fazer o presidente da República, o governador e o prefeito. O passe-livre nas cidades é de responsabilidade dos prefeitos, cabe à Câmara Municipal votar e deliberar sobre a questão. Sou totalmente favorável, mas para adotá-lo temos de saber que haverá uma compensação no preço da passagem. Se há um benefício, uma isenção, a lei é clara: a passagem deverá ter uma compensação. Essa compensação tem que ser discutida entre os donos das empresas, os concessionários, e a prefeitura, que neste caso é o poder que delega. Acho que é uma luta que os estudantes, principalmente os secundaristas, têm há muitos anos e acredito que é chegada a hora de conceder o passe-livre, porque o custo do transporte é alto e os alunos têm dificuldade.

Como fica a situação dos professores efetivados na Lei 100?
Mariana, estudante
A Lei 100 foi criada no nosso governo com o objetivo de dar segurança aos professores que estavam em situação de insegurança, porque não tinham vínculo permanente, eles eram convocados, não havia uma relação permanente. Fizemos uma proposta, a lei foi aprovada na Assembleia e os professores foram efetivados. Nosso governo não vai acabar com a Lei 100, fomos nós que a criamos. Defendemos rigorosamente a Lei 100 e sua plena aplicação.

Eu, como aluna, gostaria de ter um ambiente agradável, com professores satisfeitos. O que acontece com a verba da educação, que é tão mal distribuída?
Larissa Souza, estudante
O grande desafio do gestor hoje é devolver a qualidade ao ensino, temos que voltar ao padrão de excelência do passado. Para isso, temos de atacar em diversas etapas. A primeira é a estrutura física. Nos últimos anos nós conseguimos reformar quase todas as escolas do estado. Fizemos quadras, laboratórios de informática em praticamente 100% das escolas. É claro que sempre haverá necessidades e nós sabemos disso. A segunda questão é de metodologia, de conhecer como se dá aula, quais são os métodos de aprendizagem e como nós podemos evoluir. O terceiro ponto, e mais delicado, é tornar a carreira do magistério mais atraente e trazer cada vez mais pessoas que trabalhem felizes. Nosso primeiro grande esforço foi botar ordem na casa, pagar em dia. Tudo dentro da realidade orçamentária do estado. Tínhamos o problema da evasão escolar e conseguimos reduzi-la em 56%. Temos que continuar semeando e estimulando para que nossa educação frutifique.

INCLUSÃO DIGITAL
O que o senhor vai fazer pela inclusão digital?
Pergunta de internauta por meio do videochat
A inclusão digital é o tema do momento. A tecnologia muda, e a própria sociedade também. Quero citar um programa que fizemos no estado e é uma referência. A Febem – no Bairro Horto, em Belo Horizonte –, muito mal afamada pela sua história, foi desativada. Nas suas dependências colocamos matérias de inclusão digital, chama-se Projeto Plug Minas, e colocamos para atender os alunos do ensino médio do estado o que há de mais moderno em matéria de cultura digital. Quero levar para o interior. No momento em que conseguirmos espalhar o Plug Minas para outras regiões do estado e levarmos, por meio da banda larga, para Minas Gerais como um todo, onde é nossa responsabilidade na rede pública, nos órgãos do estado e nas escolas, teremos avançado muito mais.

CULTURA
O senhor tem falado muito na cultura, área que envolve muito o jovem. Qual a sua ideia de plano de governo com relação à cultura, principalmente no interior?
Henrique Portugal, músico
A cultura é algo que está especialmente dentro de nós, mineiros, de maneira atávica, genética, em todas as suas manifestações: música, teatro, cinema, dança, artes plásticas. Os mineiros têm uma sensibilidade cultural muito aguda. Durante muitas décadas, nós – poder público – nos equivocamos por só investirmos em Belo Horizonte e esquecemos dessa diversidade do interior. Nos últimos anos, nos esforçamos para descentralizar a política cultural. Fizemos o Fundo Estadual de Cultura, para que manifestações culturais do interior se consolidem. Temos um programa muito bonito que quero levar para Juiz de Fora e Uberlândia, o Valores de Minas. Conseguimos equipar quase mil bandas em todo o estado, isso é muito positivo. Minas Gerais, pelas suas vocações, pode servir de palco para grandes manifestações culturais e ao mesmo tempo estimular o turismo, gerando renda e emprego.

VALE DO JEQUITINHONHA
O governo Aécio Neves teve um olhar diferenciado para os vales do Mucuri e Jequitinhonha, as regiões mais pobres, e onde moro. O senhor vai seguir no mesmo sentido?
Marcílio, de Águas Formosas, pelo videochat
Quando o ex-governador Aécio tomou posse em 1º de janeiro de 2003, no primeiro mandato – eu estava como secretário de Planejamento e Gestão –, ele fez um compromisso da sacada do Palácio da Liberdade de que muitos duvidaram: que ele ia investir mais nas regiões do Jequitinhonha e Mucuri do que no resto do estado. Ao longo desses oito anos, nosso governo investiu quase R$ 3 per capita em relação a cada real investido no restante do estado. É justo, porque são as regiões mais desiguais e carentes do estado. Para que essas regiões se emancipem economicamente, o que temos de fazer é torná-las atrativas para que empresas ali se instalem e gerem empregos de qualidade. E é preciso ter infraestrutura, porque a empresa não vai se instalar em um lugar que não tem estrada, saneamento, hospital, telefone. Nosso primeiro passo foi construir uma rede de estrutura dessas regiões, construímos milhares de quilômetros de estradas, levamos telefonia celular para todos os municípios.

O JOVEM E A POLÍTICA
O que o senhor pensa em relação à descrença do jovem quando o assunto é política?
Maria Eduarda Ávila, estudante
Acho que esse pensamento existe, é uma realidade, mas tem que ser afastado, e só pode ser afastado por uma coisa: com bons exemplos. Porque, se o jovem, na sua formação, olha para o mundo político e só vê notícia ruim, maus exemplos, desvio, corrupção, politicagem no baixo sentido, isso desilude porque o jovem, por natureza, é idealista. Essa ideia do bom exemplo é que os jovens têm de participar. As pessoas de bem têm que participar, debater, cobrar, criticar e não podem perder a esperança. Vocês aqui esta manhã e os milhares que estão acompanhando pela internet, isso é um sintoma positivo de que os jovens estão se interessando novamente e isso é muito bom. Nós vivemos em uma democracia, e a democracia só vai se consolidar plenamente se os órgãos de hoje participarem, porque daqui a alguns anos um de vocês vai estar sentado aqui como candidato.

COPA 2014
A frota de veículos de Minas está em grande crescimento, mas o investimento na rede metroviária anda devagar. Tendo em vista que a Copa é logo em 2014, como o senhor pretende receber o evento, tendo pífios investimentos nessa área?
Diogo Dantes Lodi Andrade, estudante
Nós temos hoje uma realidade, não só de Belo Horizonte, mas do Brasil todo. Nossa infraestrutura econômica infelizmente causa alguns problemas, entre eles a questão dos veículos. As pessoas não querem ter somente a casa própria, mas também os seus veículos, e é obrigação do serviço público oferecer aos usuários a opção do transporte coletivo de qualidade. Oferecer transporte coletivo significa enormes custos. A prefeitura conseguiu realizar várias obras, como a Linha Verde e a reforma da Avenida Antônio Carlos. Essas foram as mais importantes, mas ainda falta muito perto das necessidades que nós temos. Agora, qual é a grande âncora do transporte coletivo nas grandes cidades? O metrô. O metrô da Região Metropolitana de Belo Horizonte é uma novela. Para que ele se desenvolva é necessário o investimento de alguns bilhões de reais. As obras viárias, como você pergunta, eu, por exemplo, acompanhei muito, por isso, a operação íntima e siamesa com a Prefeitura de Belo Horizonte, que é responsável pela maior parte das obras. É importante lembrar que em relação à Copa do Mundo teremos um mês de jogos e depois o legado do evento, e é exatamente esse o nosso propósito. Todos os governos têm a plena convicção de que essas obras são extremamente necessárias.

Tucanos X petistas
Tivemos oito anos de governo Aécio e oito anos de governo Lula. Na opinião do senhor, qual a diferença entre o PSDB e o PT?

Patrícia Aranha, editora do portal em.com <http://em.com>
Na origem, PT e PSDB se assemelham muito. Ambos nasceram em reação ao regime militar, ambos tiveram uma formação de origem social – um nos sindicatos e o outro nas universidades. Os princípios são próximos, inclusive, em 1994, houve a possibilidade de uma chapa que unisse o PT e o PSDB, mas não foi para a frente. Mas, em termos ideológicos, existe uma questão que é fundamental: nada vai funcionar se não tivermos a percepção no Brasil da importância do tema gestão pública. Só é possível governar bem se tivermos uma máquina administrativa funcionando bem, com responsabilidade. O PSDB se preocupa muito mais com isso. Aécio Neves colocou no centro da agenda brasileira a preocupação com sua gestão pública. E o PT não me parece, pelo seu comportamento, dar uma relevância à questão da gestão e, para esconder essa falta de preocupação, diz que a questão da gestão pública é excludente. Falar isso até causa arrepios às pessoas de inteligência mediana, porque não existe governo se não tivermos uma gestão pública profissional, que funcione bem, que não desvie dinheiro, que tenha bons objetivos. Agora, na política econômica, não vejo grande diferença. Na política de inclusão social, o esforço é o mesmo.