• Agenda

    julho 2010
    S T Q Q S S D
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Hélio Costa, candidato do PMDB, se irrita com pergunta de repórter e diz que é pegadinha por não saber o que é CEIP

Hélio Costa interrompe entrevista ao ser confrontado por jornalista

Fonte: Thiago Herdy – Estado de Minas

O candidato não soube responder o que era Ceip, sigla para Centro de Internação Provisória, e reclamou estar sendo vítima de uma pegadinha

O candidato de oposição ao governo de Minas, o senador Hélio Costa (PMDB), participou no início da tarde desta terça de um ato de apoio à sua candidatura na Praça da Savassi, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte.

Em meio a aliados da campanha, a maioria deles petistas, Costa foi evasivo ao responder sobre sua proposta para resolver o problema da superlotação do Centro de Internação Provisória (Ceip) Dom Bosco, que recebe adolescentes infratores em Belo Horizonte.

Costa disse apenas que a questão do adolescente precisa ser discutida do ponto de vista técnico e social, e que certamente vai “estar preocupado com isso na nossa campanha”, sem entrar no mérito da questão.

Quando o repórter perguntou ao candidato se ele sabia o que era o Ceip e se tinha conhecimento do problema vivido no centro, Costa disse desconhecer a sigla, reclamou estar sendo vítima de uma pegadinha e encerrou a entrevista.

O Ceip Dom Bosco é o principal centro de internação provisória de adolescentes de Minas Gerais. A precariedade da estrutura e a superlotação do Ceip Dom Bosco são tema de ação civil pública promovida pela Promotoria da Infância e da Juventude de Minas Gerais desde 2007.

Recentemente o governo mineiro realizou reformas no espaço mas, para o Ministério Público, o problema ainda não está resolvido. Agentes socioeducativos já assinaram manifesto reclamando dos problemas e da falta de cuidado com o espaço para onde são levados adolescentes infratores apreendidos na Grande BH.

A pergunta foi feita no dia em que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 20 anos.

Veja a entrevista:

Confira o diálogo com Hélio Costa, no início da tarde de hoje, na Praça da Savassi.
Repórter: Hoje o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 20 anos, o CEIP em Minas Gerais está superlotado há muitos anos, este é um problema que se estende. O senhor tem alguma solução para este problema, isto vai ser prioridade no governo do senhor?

Costa: Olha, eu acho que nós já demos um passo importante nessa semana, quando nós aprovamos a PEC da Juventude. Na esteira da PEC, vem a questão do adolescente, que nós precisamos realmente com muita atenção discutir essa questão no ponto de vista técnico e social. Eu certamente vou estar preocupado com isso na nossa campanha.

Repórter: Mas o senhor sabe o que é o CEIP?

Costa: Pode falar por favor.

Repórter: O senhor não conhece o CEIP?

Costa: Veja você, eu sei que se refere a questões relacionadas com o adolescente, com o jovem, mas a sigla eu lamentavelmente não sei..

Repórter: É o Centro de Internação de Provisória de adolescentes infratores. O senhor não acha que deveria ter conhecimento dessa questão?

O assessor de imprensa do candidato interrompe a entrevista: “mas Ceip não é uma sigla conhecida, eu não sabia o que era, não é uma sigla conhecida. Isso é uma pergunta maldosa..”

Repórter: Não é uma pergunta maldosa, estou falando do Centro…

Hélio: Olha aqui, se você perguntasse pela sigla, dizendo assim, eu sou de Barbacena. Em Barbacena, nós tivemos assim, por mais de 30 anos, o mais importante centro de recuperação de adolescentes. Que foi fechado exatamente há cerca de 15 anos, por falta de atenção. Esse centro foi levado para Sete Lagoas, depois foi trazido para Belo Horizonte, então o assunto é muito bem conhecido. Agora, se você quiser fazer pegadinha comigo com a sigla, eu realmente..

Repórter: Não era pegadinha, então vamos falar da política (de governo)…

O candidato deu a entrevista por encerrada e saiu para cumprimentar eleitores.

Anastasia receberá apoio de lideranças políticas da Coligação Somos Minas Gerais

Fonte: PSDB-MG

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, receberá neste sábado, dia 17, em Belo Horizonte, prefeitos e lideranças políticas e candidatos dos partidos que integram a coligação Somos Minas Gerais. O deputado Danilo de Castro, coordenador político da campanha da coligação “Somos Minas Gerais”, que teve reunião de trabalho nesta terça-feira, dia 13, com Antonio Anastasia, no Palácio das Mangabeiras, afirmou que o evento será um grande encontro de lideranças municipais em apoio à reeleição do governador, e à eleição e Itamar Franco ao Senado Federal.

Campanha limpa e transparente

“Teremos aqui uma grande arrancada da campanha, com a presença dos candidatos da coligação. Essa coligação que realmente dá uma força muito grande à campanha. Vamos ouvir as lideranças, mostrar o que queremos. Que seja uma campanha limpa, transparente, como foram as campanhas do governador Aécio Neves. Uma campanha de projeto”, disse o coordenador político.

Danilo de Castro ressaltou que o encontro servirá para ouvir as lideranças políticas e os coordenadores da coligação do interior, e receber as propostas que serão encaminhadas ao plano de governo de Antonio Anastasia.

“Vamos mostrar ao eleitor que o nosso programa de governo não é uma peça de ficção. É realmente um programa de governo que foi cumprido item por item. Vamos discutir propostas com os nossos eleitores”, afirmou Danilo de Castro.

Além da chapa majoritária formada por Antonio Anastasia, o candidato a vice-governador, deputado Alberto Pinto Coelho, e os candidatos ao Senado Federal, Aécio Neves e Itamar Franco, o evento contará também com a presença dos 121 candidatos que disputam as eleições proporcionais – 70 candidatos à Câmara dos Deputados e 51 postulantes à Assembleia Legislativa. Após o encontro, os participantes farão uma caminhada pelas ruas do Centro da capital mineira.

Reforço na campanha
Após a reunião com Antonio Anastasia, o deputado federal Danilo de Castro anunciou que na próxima sexta-feira, dia 16, se desligará do comando da Secretaria de Estado de Governo para assumir a coordenação política da campanha e reforçar a mobilização em torno da candidatura de Antonio Anastasia. O subsecretário da Casa Civil, Carlos Pavan, o substituirá na pasta.

Danilo de Castro ressaltou que a estratégia de campanha está sendo rigorosamente cumprida. Segundo ele, após retornar de viagem aos Estados Unidos, onde assegurou recursos da ordem de US$ 600 milhões para as áreas sociais e de infraestrutura, o governador Antonio Anastasia começou a semana fazendo corpo a corpo com o eleitor nas ruas da capital. Na segunda-feira, ele recebeu o apoio de voluntários em uma caminhada na Praça da Savassi. No mesmo dia, Antonio Anastasia foi à região de Venda Nova, juntamente com o candidato à presidência da República pelo PSDB, José Serra e o candidato ao Senado Federal, o ex-governador Aécio Neves.

Nesta quarta-feira, o governador Antonio Anastasia viaja para Pompéu, no Centro-Oeste. Ele também participa da abertura da Festa do Leite. À tarde, ele vai a Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte onde participa de ato político ao lado de Aécio Neves. Durante a semana, o governador ainda participará de almoço com lideranças do PR e também das homenagens ao Dia de Minas Gerais, em Belo Horizonte e Mariana.

Governo Antonio Anastasia garante apoio à empresa sueca para instalação de um centro de pesquisa em Minas

Suecos investem em centro de pesquisa em Minas

Fonte: Diário Econômico

Fabricante sueca investe em centro de pesquisa em MG

A Ericsson, uma das primeiras multinacionais do setor a se instalar no Brasil, em 1955, também está reforçando seus investimentos no país. Embora já mantenha unidades de produção própria no Brasil e um centro de pesquisa  e desenvolvimento, a companhia fechou uma parceria com o governo de Minas Gerais para financiar pesquisas e desenvolvimento de produtos (P&D) de tecnologia da informação e telecomunicações nas cidades de Santa Rita do Sapucaí e Belo Horizonte.

Ao todo, o investimento será de R$ 16 milhões — R$ 8 milhões provenientes da Ericsson e R$ 8 milhões da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig).  inicialmente, 50 novos postos de trabalho para pesquisadores (de recém-graduados a doutores) serão criados. A companhia anuncia que fará treinamento em tecnologia de serviços multimídia para transmissão de televisão pela internet, bem como em sistemas de tarifação, gerenciamento de receitas, tecnologias de terceira e quarta geração e para redes convergentes de comunicação.

Redução da Pobreza: Avanços das políticas sociais em Minas fará com que miséria seja reduzida no Estado 3 anos antes da meta nacional, diz Ipea

Inclusão econômica

Miséria tem prazo para acabar

Fonte: Estado de Minas

Pobreza absoluta caiu de 43,4% da população brasileira para 28,8% no período de 1995 a 2008. Se o ritmo se mantiver, país terá mais igualdade social até o fim da década

A miséria no Brasil deve acabar em 2016, mas será dizimada três anos antes em Minas. A previsão é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que divulgou ontem um estudo sobre a pobreza extrema e a pobreza absoluta no Brasil, o Comunicado Ipea 58. O levantamento foi feito com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), Contas Nacionais e Contas Regionais, todas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A análise mostra que, entre 1995 e 2008, 12,8 milhões de pessoas saíram da pobreza absoluta, configurada pelo rendimento médio domiciliar per capita de até meio salário mínimo mensal. Nesse período, outros 13,1 milhões de brasileiros superaram a pobreza extrema, caracterizada pelo rendimento médio familiar per capita de até um quarto do salário mínimo ao mês.

Entre os que já se beneficiaram com o encolhimento da miséria estão pessoas como a pedreira de alvenaria Vitória Milas Vieira, que vive no Aglomerado da Serra, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, e tem sete filhos. Todos empregados. “Há 10 anos, não era tão fácil arrumar emprego. O salário mínimo hoje nos possibilita um consumo que vai além do básico, que era apenas alimentação e vestuário”, diz. Recém-formada pelo Senac, Vitória está procurando um emprego melhor, agora que tem uma especialização. “Antes, eu não poderia deixar de trabalhar para ajudar minha filha e minha neta. Hoje, todos em casa trabalham e temos uma condição melhor”, diz. A vida da professora Ana Cláudia Santos também melhorou nesse período. “Era muito difícil encontrar emprego. Não tive o que minhas filhas têm hoje, pois o rendimento médio da minha casa não era suficiente”, explica.

O Ipea acredita que, na próxima década, os problemas de pobreza absoluta e extrema serão erradicados do território nacional. Para os brasileiros, isso significa escalar um degrau importante no pódio da igualdade econômica mundial. “Num horizonte próximo, o Brasil vai entrar num patamar até agora só alcançado pelos países desenvolvidos, que superaram a pobreza extrema e reduziram a pobreza absoluta a níveis muito baixos”, diz o presidente do instituto, Márcio Pochmann. De acordo com ele, porém, para continuar caminhando nesse sentido, será necessário articular ações econômicas e sociais diferenciadas para cada região brasileira nos próximos anos, uma vez que o ritmo de queda da pobreza no país é muito diferente entre as regiões e os estados. “Alguns vão superar a pobreza antes dos outros.”

PADRÃO DE VIDA
– Os números mostram, porém, que para elevar o padrão de vida de todos os brasileiros, será preciso mais do que crescimento econômico. Isso porque a redução da pobreza nos últimos anos, apesar de expressiva, foi desigual entre as diferentes regiões do país. No Sul, por exemplo, a pobreza absoluta caiu 47,1%, enquanto a pobreza extrema recuou 59,6%. Já no Norte, a pobreza absoluta retrocedeu 14,9% e a pobreza extrema caiu 22,8%. Olhando daqui para a frente, as primeiras unidades da federação a eliminarem a pobreza extrema no país serão Santa Catarina e Paraná, que acabarão com o problema em 2012. No ano seguinte, a miséria será dizimada em Minas, Goiânia e Espírito Santo. Em 2014 será a vez de São Paulo e Mato Grosso . Um ano depois, Tocantins, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. Os outros estados só alcançarão esse objetivo em 2016.

“Para continuar reduzindo a pobreza, o país deve continuar a manter a estabilidade monetária e o crescimento econômico. Precisa também integrar e articular as políticas sociais com metas nacionais e estatuais, e com instrumentos para monitorar essa queda”, diz Pochmann. Na avaliação dele, a redução da pobreza extrema deve ser atribuída aos programas de transferência de renda, que são fundamentais para enfrentar a indigência. “Já a erradicação da pobreza absoluta depende do crescimento econômico, do aumento do salário mínimo e do crescimento voltado para o mercado interno.”

Danilo de Castro deixa Governo de Minas para assumir coordenação política da campanha de Anastasia

Danilo de Castro assume campanha de Antonio Anastasia

Fonte: Dilke Fonseca – Hoje em Dia

Substituído pelo subsecretário da Casa Civil, Carlos Pavan, ele anunciou uma extensa agenda pelo interior de Minas

O secretário de Governo, Danilo de Castro, deixa o cargo para assumir a coordenação política da campanha do governador Antonio Augusto Anastasia (PSDB), candidato à reeleição. A decisão foi comunicada pelo próprio secretário após reunião nesta terça-feira (13) com Anastasia no Palácio das Mangabeiras, residência oficial. Danilo deixa o Governo na sexta-feira (16) à tarde e no sábado (17) o desligamento sai publicado no órgão oficial Minas Gerais. Ele será substituído pelo subsecretário da Casa Civil, Carlos Pavan.

Danilo anunciou até domingo uma extensa agenda do candidato pelo interior a começar nesta quarta-feira (14) onde faz campanha em Pompéu, pela manhã, e à tarde, faz caminhada em Ibirité, ambas na Região Central, acompanhado do ex-governador Aécio Neves (PSDB), candidato ao Senado. E na quinta-feira (15) almoça com representantes do PR.

Mas a “grande arrancada” da campanha, segundo Danilo, acontece no próximo sábado (17), às 10 horas, no Ginásio do Mackenzie, em Belo Horizonte, com a presença de quase todos os candidatos da coligação formada por 12 partidos. Na sequencia será realizada uma caminhada no centro da cidade.

Um dos objetivos será o de mostrar aos filiados ao PSDB e aliados como desejam que a campanha seja conduzida. A intenção, segundo Danilo, é a de fazer uma campanha limpa, transparente, de apresentação de projetos, para mostrar a diferença entre os dois lados em disputa. Segundo Danilo, o eleitor já sabe que o que lado de Anastasia tem credibilidade, onde tudo o que foi prometido foi feito e que o programa de Governo não é uma “peça de ficção”. Ele disse que o candidato irá discutir propostas com os eleitores. No domingo (18), Anastasia participa do fechamento da Exposição Agropecuária de Governador Valadares.

Danilo disse que as pesquisas não preocupam a coordenação de campanha ao ser questionado, especificamente, sobre um levantamento encomendado pelo PMDB ao instituto Sensus que indicaria que o candidato do PMDB, senador Hélio Costa tem 47% contra 23% dos adversários. Ele disse que que a orientação que sendo passada pelos marketeiros da campanha é de que as pesquisas qualitativas dão uma tranquilidade muito grande a Anastasia. “Nós não temos nenhum tipo de preocupação com a campanha do adversário. Nós traçamos uma estratégia de campanha que está sendo rigorosamente cumprida”.

O secretário afirmou que com a longa ausência do candidato de Hélio Costa, do Estado, ele perdeu um pouco o que é a tradição, o civismo de Minas ao responder o candidato que afirmou que a campanha é difícil, porque “não tem a caneta” , e ao criticar fato de o Dia de Minas será também comemorado na Cidade Administrativa com a presença, inclusive, de prefeitos e em Mariana onde ocorre tradicionalmente. “O Dia de Minas sempre foi celebrado no Estado com muita ênfase por todos os governos. Talvez o candidato por ter estado tanto tempo afastado de Minas, ele pode não estar sabendo o que tem acontecido aqui nos últimos tempos”.

Antonio Anastasia discute com o sociólogo Cláudio Beato acerca da ampliação da participação popular no Programa de Governo

Entrevista do coordenador da proposta de Programa de Governo do governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, Cláudio Beato

Fonte: PSDB

Diretrizes do Programa de Governo, ampliação da participação popular na elaboração do programa

Conta para a gente o que o senhor conversou com o governador na reunião.

Olha, nós estamos fechando aqui as diretrizes gerais que vão nortear o plano e aprofundar alguns temas específicos que, posteriormente vão ser trabalhados pela equipe do plano de governo. A ideia é justamente você trabalhar nessa linha que já foi anunciada. O plano está registrado de uma crescente participação das pessoas na elaboração do plano, na condução, e trabalhar alguns temas também no sentido de ampliar essa rede de participação que nós vamos ter aí pelo Estado de Minas Gerais e nas microregiões, nas regionais, para que se possam identificar os problemas principais. A ideia é que seja uma variação de quais são os problemas que existem em cada região do Estado, para depois tentar desenvolver soluções para cada uma delas ao longo do próximo governo.

Em linhas gerais, o que vocês já estão pensando para esse plano de governo, em diretrizes para o Estado no próximo governo?

Olha, o primeiro e mais importante aspecto é justamente a ideia de que os problemas são muito diversificados no Estado de Minas Gerais. Nós temos realidades regionais muito diferentes e nós precisamos trabalhar em cima de cada uma delas, então existem naturalmente algumas ideias gerais, mas é muito importante para a gente ter essa percepção do que está ocorrendo em cada região do Estado. Ou seja, a ideia de que Minas são muitas, de fato, ela vai prevalecer no planejamento do governo.

Nessa reunião com o governador ficou definida alguma coisa?

Não, ainda não, o que nós estamos trabalhando ainda são esses aspectos mais gerais, porque isso é a filosofia, o conceito que está por trás do plano de governo. A ideia do desenvolvimento integral, de você trabalhar com vários aspectos sociais, econômicos e políticos, para desenvolver cada uma das regiões do Estado de Minas e, que com isso, o Estado como um todo possa avançar do ponto de vista desse desenvolvimento integrado.

Como as demandas da população vão ser ouvidas para serem levadas em consideração?

Isso é um processo de governo, que vai ser feito ao longo dos próximos quatro anos, no qual vão ser montadas estruturas de escuta, de consulta, de identificação de problemas, ao lado do que já existe aí em termos de uma estrutura governamental para identificar problemas. Procurar compreender o que já está acontecendo, enfim, já existe uma base de dados muito boa a esse respeito e já existe uma estrutura de gestão que já está funcionando. O que ocorre é que esse passo agora só é possível porque já foi feita toda essa reestruturação da máquina de governo, da estrutura gerencial, enfim, os enormes avanços que Minas assistiu ao longo dos últimos anos, através do governador Aécio Neves, vão ser aprofundados. E só são possíveis agora porque foram feitos e os passos anteriores foram dados.  E agora é possível você dar esse passo, avançar nessa direção.

Tem algum prazo para já estar isso pronto, definido?

A nossa idéia é que dentro de 30, 40 dias a gente já tenha, aí sim, os temas específicos e, sobretudo, iniciar esse processo, induzir esse processo de participação que vai se dar ao longo dos próximos anos e, enfim, o eleitorado apoiar a candidatura do professor Anastasia.

Agora nesses sete anos e meio quais foram os principais avanços na área de segurança?

Olha, se pegar a área metropolitana de Belo Horizonte, nós estamos nos mesmos patamares de doze anos atrás. Isso é um avanço enorme, principalmente se a gente considerar que houve um crescimento muito grande, especialmente durante o começo, no período inicial do governo Aécio. Além disso, Minas tem hoje uma estrutura de defesa social que é considerada uma referência nacional e internacional. Todos vêm aqui para conhecer os diversos projetos que o governo de Minas desenvolve, seja do ponto de vista de controle de homicídios, seja do ponto de vista da gestão integrada das polícias, que é um grande problema. Então acho que Minas conseguiu se tornar hoje um “case” de sucesso, ao lado de Estados como São Paulo, sobre como lidar com problema de segurança dentro da estrutura atual. Naturalmente se a gente tivesse aí um pouco de apoio do governo federal, no sentido de avançar e dar as condições para você avançar e aprofundar ainda mais essa questão da integração e dos projetos de prevenção, certamente a gente avançaria muito mais

Anastasia vai percorrer as principais regiões de Minas Gerais para debater e propor novos avanços sociais e econômicos dos programas de governo

Antonio Anastasia vai propor novos avanços sociais e econômicos para Minas Gerais

FONTE: PSDB – MG

Programas e ações já aprovados pela população serão debatidos em cada região do Estado

A regionalização dos programas do Estado e a ampliação da participação popular nas ações do governo são duas diretrizes da proposta de Plano de Governo do governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição pela coligação “Somos Minas Gerais”. Nesta segunda-feira, o governador reuniu-se, em Belo Horizonte, com o coordenador da proposta que será apresentada aos mineiros durante a campanha eleitoral, o professor e sociólogo Cláudio Beato.

Claudio Beato explicou que a proposta de governo para os próximos quatro anos aprofundará nos avanços já conquistados nos últimos oito anos, durante a gestão de Aécio Neves, e que hoje são amplamente aprovados pelos mineiros. Segundo ele, dentro de cerca 40 dias, o novo programa estará integralmente concluído para avaliação dos eleitores.

“Os enormes avanços que Minas assistiu ao longo dos últimos anos, através do governador Aécio Neves, vão ser aprofundados. E só são possíveis agora porque os passos anteriores foram dados. Agora é possível você avançar. Esse passo só é possível porque já foi feita toda a reestruturação da máquina de governo, da estrutura gerencial”, afirmou.

Desenvolvimento social, econômico e político

A apresentação de diagnósticos e propostas para cada uma das regiões de Minas ocorrerá a partir de reuniões com os diferentes setores da sociedade, como sindicatos, produtores, empresariais e lideranças municipais. As 66 associações microrregionais terão participação fundamental no debate com a sociedade, pois são elas que receberão as demandas da população.

“É muito importante termos a percepção do que está ocorrendo em cada região do Estado. A ideia de que Minas são muitas de fato vai prevalecer no planejamento do governo. Vamos trabalhar com o desenvolvimento integral, com vários aspectos sociais, econômicos e políticos, para desenvolver cada uma das regiões do Estado de Minas para que o Estado como um todo possa avançar do ponto de vista do desenvolvimento integrado”, disse.

Segurança pública

Durante entrevista, Cláudio Beato, que é diretor do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), destacou os avanços do governo de Minas em áreas prioritárias como a segurança pública. Segundo ele, a estrutura de defesa social do Estado é hoje referência no país e em vários países. Desde 2006, o Governo de Minas destinou mais de R$ 25,8 bilhões em investimentos, resultando em mais policiais nas ruas com melhores condições de trabalho; sistema prisional mais amplo e eficiente; e redução histórica nos índices de criminalidade em todas as regiões do Estado.

“Minas tem hoje uma estrutura de defesa social que é considerada uma referência nacional e internacional. Todos vêm aqui para conhecer os diversos projetos que o governo de Minas desenvolve, seja do ponto de vista de controle de homicídios, seja do ponto de vista da gestão integrada das polícias, que é um grande problema. Minas conseguiu se tornar hoje um sucesso sobre como lidar com problema de segurança. Se a gente tivesse aí um pouco de apoio do governo federal, no sentido de avançar e dar as condições para você avançar e aprofundar ainda mais essa questão da integração e dos projetos de prevenção, certamente a gente avançaria muito mais”, disse.