• Agenda

    maio 2010
    S T Q Q S S D
    « abr   jun »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Cemig fecha contrato com a Vallourec & Sumitomo Tubos

Membros do Governo de Minas e da Vallourec & Sumitomo Tubos do Brasil

Membros do Governo de Minas e da Vallourec & Sumitomo Tubos do Brasil

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) assinou, nesta sexta-feira (28), contrato de fornecimento de energia elétrica para a nova unidade industrial da Vallourec & Sumitomo Tubos do Brasil (VSB), localizada em Amorim, no município de Jeceaba, no região do Campo das Vertentes. Pelo acordo firmado, será fornecido o montante de 50 MW médios até o ano de 2019.

A assinatura desse contrato, um dos grandes acordos já realizados no ambiente de contratação livre no Brasil, é a confirmação da confiança mútua e da parceria entre as empresas, disse o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Sérgio Barroso.

Estiveram presentes o presidente do Conselho de Administração da VSB, Flávio Azevedo, o diretor geral da VSB, Otávio Sanabio, o secretário Sérgio Barroso, o presidente da Cemig, Djalma Bastos de Morais, o diretor comercial da Cemig, Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga, o presidente do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), Adriano Magalhaes, e ainda, o conselheiro da V&M, Aloísio Marcos Vasconcelos Novais, entre outros representantes das empresas.

VSB
Joint venture é formada pelo grupo francês Vallourec e pelo japonês Sumitomo Metals. As duas empresas lançaram, no dia 7 de julho de 2007, a pedra fundamental da usina de tubos de aço sem costura, destinado ao setor petrolífero, mediante investimento conjunto de US$ 1,6 bilhão.

O complexo siderúrgico da VSB está sendo instalado no Distrito Industrial de Jeceaba, implantado pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), que integra o Sistema Operacional de Desenvolvimento Econômico, lembrou o secretário Sérgio Barroso.

Utilizando o que há de mais avançado em tecnologia siderúrgica, o empreendimento terá uma aciaria com capacidade de produção de um milhão de toneladas de aço bruto/ano e uma laminação que irá produzir 600 mil toneladas de tubos de aço sem costura/ano. Os tubos terão alto valor agregado e serão exportados, atendendo à demanda do setor petrolífero mundial.

O início da operação está previsto para este ano. Quando em funcionamento, o complexo irá gerar aproximadamente 1,5 mil empregos diretos. O secretário lembrou, ainda, que o complexo da VSB vai contribuir, decisivamente, para alterar e para melhorar o perfil socioeconômico da região do Campo das Vertentes, onde outros importantes projetos nos segmentos de mineração e siderurgia acham-se em execução neste momento.

Governador participa das comemorações do Dia da Indústria

O governador Antonio Anastasia participou, nessa quinta-feira (27), na Serraria Souza Pinto, das comemorações do Dia da Indústria, organizado pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). Durante a solenidade, foi realizada a transmissão de cargo do ex-presidente da entidade, Robson Braga de Andrade, ao presidente eleito para o período 2010/2014, o empresário Olavo Machado Júnior. Participaram da solenidade, o ex-governador Aécio Neves e o presidente da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), Armando Monteiro Neto.

O governador Antonio Anastasia durante solenidade

O governador Antonio Anastasia durante solenidade

Governador assina convênios para investimentos em 154 municípios

Antonio Anastasia autoriza liberação de R$ 118 milhões para 154 municípios mineiros

Antonio Anastasia autoriza liberação de R$ 118 milhões para 154 municípios mineiros

O governador Antonio Anastasia autorizou, nesta quinta-feira (27), no Palácio Tiradentes, na Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, a liberação de R$ 118 milhões para obras de infraestrutura urbana em 154 municípios mineiros. No total, foram assinados 176 convênios que vão possibilitar melhoramento de vias públicas, canalização de córregos, construção de rede de esgoto e de drenagem pluvial, ampliação de sedes administrativas, construção de praças, pontes, cadeias públicas, reforma em parques de exposições, quadras poliesportivas, entre outras obras.

Em sete anos, o Governo de Minas já repassou R$ 1 bilhão para obras nos municípios mineiros. Segundo o governador, a parceria com prefeituras tem sido prioridade, uma vez que os prefeitos é que recebem as demandas e conhecem as dificuldades da população. Antonio Anastasia disse ainda que o município é a esfera do poder público mais habilitada a realizar com eficiência as obras demandadas.

“O prefeito é o primeiro a ouvir a reclamação do cidadão e a saber onde estão as dificuldades. Sabe também como saná-las. Portanto, nada mais razoável do que apoiarmos os municípios assinando esses convênios. Essas parcerias são fundamentais porque sinalizam a execução de obras de infraestrutura e também o nosso empenho em manter a locomotiva do desenvolvimento de Minas acelerada”, afirmou o governador, em seu pronunciamento.

O governador destacou ainda que o repasse de recursos aos municípios só está sendo possível porque o Governo de Minas equilibrou as contas públicas e planeja todos os seus investimentos. Segundo ele, os convênios assinados hoje são também uma forma de compensar os municípios pelas perdas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). 

“Não há governo que vá bem se os municípios também não vão bem. A parceria que estamos aqui formalizando é uma forma de devolver aos municípios um pouco do que perderam com a queda da arrecadação do FPM no ano passado. As obras a serem executadas são obras que vão gerar emprego e riqueza”, disse ele. 

100% dos municípios 

O secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Fuad Noman, explicou que o repasse de dinheiro às prefeituras está sendo feito a fundo perdido. Segundo ele, o Governo de Minas dispõe de recursos para atender os 853 municípios mineiros. Para isso, basta que as prefeituras estejam em situação regular junto ao Sistema Integrado de Administração Financeira (Siaf) e com o Cadastro Geral de Convenentes (Cagec).

“Temos recursos hoje disponíveis para atender 100% dos municípios. Dependemos, logicamente, que os municípios tenham projeto, tenham sua documentação toda em ordem. E à medida que estamos recebendo todos os pleitos dos prefeitos, avaliando a parte legal, estamos prontos para assinar. Nossa expectativa é que na próxima semana possamos estar aqui com mais 200 municípios e na outra semana, mais 200”, disse Noman. 

O Estado, por meio da Subsecretaria de Obras Públicas, fiscalizará a execução da obra periodicamente em todas as fases. Ao final, fará vistoria e relatório com a obra concluída. Para os convênios deste ano, o repasse das verbas será feito em duas ou mais parcelas e o pagamento da 2ª parcela está condicionado ao envio, por parte da prefeitura, da documentação referente à fase inicial. 

Obras

Municípios pequenos, médios e de grande porte, de todas as regiões do Estado, foram beneficiados pelos convênios assinados. O prefeito de Novo Oriente de Minas, no Vale do Mucuri, Adelson Gonçalves, disse que os R$ 400 mil repassados ao município irão viabilizar o início das obras do novo mercado municipal, orçado em R$ 1 milhão.

“O antigo mercado está em condições tão precárias que o Ministério Público exigiu reforma completa do prédio ou o seu fechamento. Decidimos então colocar o prédio no chão e erguer um novo. O mercado é tradicional e de grande importância para a cidade. Pelo menos 130 famílias rurais dependem dele para vender seus produtos”, disse ele.

O prefeito de Curral de Dentro, no Norte de Minas, Tião Muquiba, assinou convênio no valor R$ 300 mil. Ele disse que os recursos serão destinados ao calçamento de 6 mil metros de ruas e à construção de rede pluvial.

“A obra vai resolver problemas antigos de nossa cidade. Quando chove, as ruas ficam todas alagadas e água invade as casas. Quando não chove, somos obrigados a conviver com a poeira e os buracos”, contou Tião Muquiba. 

O convênio assinado com Uberlândia, no Triângulo Mineiro, no valor de R$ 12 milhões, será destinado à obra de construção de viaduto no cruzamento das avenidas Rondon Pacheco com João Naves de Ávila, no Centro. O valor total da obra está orçado em R$ 24 milhões. 

“O viaduto vai fazer a ligação dos bairros da Zona Leste com o terminal central de transporte coletivo urbano. E vai eliminar um cruzamento onde passam 68 mil veículos por dia. É uma obra que vai dar mais segurança, melhorar o fluxo de veículos, beneficiando principalmente o transporte coletivo”, disse o prefeito Odelmo Leão.

Para ver a relação dos 154 municípios atendidos, clique aqui (Documento do Word).

Comitiva da Secretaria de Saúde de Minas participa de simulação durante viagem à França

Secretário assiste os exercícios que caracterizam o Plan Rouge

Secretário assiste os exercícios que caracterizam o Plan Rouge

Um hospital desativado, localizado em Dreuix, cidade a 80 km a oeste de Paris, foi cenário, nesta quinta-feira (27), de uma simulação de enfrentamento para três tipos de catástrofes: um incêndio, um ato terrorista e um acidente químico.

A comitiva mineira, liderada pelo secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques, participou, como observadora, dos exercícios que caracterizam o Plan Rouge. Este é um plano de defesa que reúne, de forma articulada, todas as forças – Corpo de Bombeiros, Samu, Polícia Militar, Defesa Civil e outros – para uma resposta integrada.

O local da suposta catástrofe é demarcado. Nele são definidas três áreas: a quente, onde é registrada a ocorrência, a morna, com pacientes potencialmente graves, e a fria, onde ficam estacionadas as ambulâncias para a remoção dos pacientes.

Na área quente é montado um Posto Médico Avançado (PMA), onde são feitos os primeiros atendimentos e a triagem dos pacientes que precisam ser encaminhados para os Serviços de Urgência da região. Em caso de suspeita de contaminação química e ou bacteriológica, depois do PMA, é montada uma barraca de descontaminação. Uma central de regulação é montada em outra tenda e nela os supostos pacientes são classificados para o encaminhamento ao hospital adequado a cada caso.

Plan Blanc

A partir daí entra em ação o Plan Blanc. Trata-se da preparação de cada um dos Serviços de Urgência para fazer frente à assistência de um grande número de pacientes removidos e que precisam de cuidados urgentes de saúde durante o enfrentamento de uma catástrofe.

A simulação envolveu profissionais do Samu francês, Polícia Militar (Gendarmerie), Corpo de Bombeiros, Cruz Vermelha, voluntários, estudantes de Medicina e Comunicação Social, além de organizações como a Le Transmiteurs, formada por médicos aposentados que participam da formação de jovens profissionais. Nela as supostas vítimas foram atendidas com os mesmos protocolos clínicos, insumos e equipamentos que seriam utilizados em um cenário real.

Além de preparar os profissionais de forma mais eficiente, o simulado serviu como processo de avaliação dos estudantes de Medicina e Comunicação Social. Nesta avaliação, foram determinantes para a nota final dos acadêmicos de Medicina a priorização das ações, a gestão da crise, a integração dos serviços e a ficha médica. Os estudantes de Comunicação Social foram divididos em treze equipes: cinco de televisão, quatro de rádio e outras quatro de jornalismo impresso.

O coordenador de Urgência e Emergência da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Rasível dos Reis Júnior, lembra que para cada força há um papel definido: antes do PMA, os oficiais da Polícia Militar isolam o local e garantem a segurança, enquanto oficiais do Corpo de Bombeiros e membros da Cruz Vermelha identificam as vítimas, profissionais do Samu avaliam e o médico regulador classifica o risco, para que o paciente possa ser encaminhado para o hospital correto.

“A ficha de identificação com código de barras é determinante para o sucesso da classificação do risco do paciente quando ele é atendimento dentro PMA. Garante segurança e agilidade no atendimento”, assegura o coordenador.

Ao fazer um balanço da missão à França, o secretário Antônio Jorge diz que o próximo passo é a elaboração de um plano de ação, feito a partir do documento de cooperação assinado, nesta semana, entre o Governo de Minas e o Hospital Universitário de Rouen.

“Também pretendemos identificar os profissionais que deverão se tornar multiplicadores da experiência francesa no enfrentamento de catástrofes em Minas Gerais. Pretendemos levar este conhecimento aos hospitais e à rede de urgência e emergência”, adianta o secretário. Segundo ele, está previsto um treinamento em território mineiro, feito pelos profissionais franceses e, ainda, o acesso aos equipamentos usados no exercício de simulação. “É necessário também que seja colocada em discussão a legislação e o papel de cada entre envolvido no enfrentamento de catástrofes”, finalizou o secretário.

Experiências de êxito

O modelo francês já foi aplicado com êxito em eventos recentes como o ataque terrorista, ocorrido na França em 2001. Naquele momento, várias pessoas receberam cartas com um pó semelhante ao Antrax. Outra experiência de êxito ocorreu no enfrentamento da epidemia de SARS, registrada em 2003. Deste último episódio ficou a certeza da importância do atendimento pré-hospitalar, que ajuda a evitar a contaminação da população.

Ao contrário dos Estados Unidos, onde os pacientes são levados para dentro dos hospitais, na França faz-se intervenção no local da catástrofe. A triagem dos pacientes é feita no posto médico avançado. Assim, os pacientes são encaminhados para os hospitais certos, o que evita filas.

Fopemimpe debate políticas para os micro e pequenos empresários

Ressaltando a importância do encontro para o fomento à economia mineira por meio de um segmento dos mais representativos, a subsecretária de Indústria, Comércio e Serviços (Sics) da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), Marilena Chaves, presidiu, nesta quinta-feira (27), ao lado do diretor de Operações do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae-MG), Matheus Cotta de Carvalho, e do vice-presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Minas Gerais (Fecomércio-MG), Lázaro Luiz Gonzaga, a abertura da terceira Assembléia Geral do Fórum Permanente Mineiro das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Fopemimpe).

A subsecretária falou sobre as ações voltadas para as micro e pequenas empresas. “Nosso compromisso hoje é de articular, formular e acompanhar a implementação das políticas governamentais em benefício das microempresas e empresas de pequeno porte”, salientou.

Desde a sua criação, em julho de 2008, o Fopemimpe realiza dois encontros anuais para reunir os empresários com o objetivo de permutar experiências e discutir melhorias para o segmento. “Ao longo de 2009, conquistamos diversos benefícios para os empresários desse segmento, como a redução da carga tributária e a inserção das prefeituras como clientes dessas empresas”, destacou Marilena Chaves.

O maior desafio do Fopemimpe, segundo a subsecretária, é implementar a Lei Geral 123/2006, que institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte em 100% dos municípios mineiros. “Atualmente, a legislação está implementada em 81 municípios e nosso objetivo é atingir os 853 municípios mineiros”, completou. A lei estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às microempresas e empresas de pequeno porte no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

Segundo dados da Junta Comercial do Estado de Minas Gerais (Jucemg), das 750 mil empresas ativas em Minas Gerais, cerca de 734 mil são microempresas e pequenas empresas. O mesmo estudo mostra que a maioria das empresas está no ramo de comércio e serviço, com 45,6% e 40,2%, respectivamente.

Programação

O primeiro dia do evento ainda contou com palestras do diretor de Desenvolvimento Sustentável do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), Ronaldo Lamounier Locatelli, que apresentou as ações desenvolvidas pelo banco para o micro e pequeno empreendedor. Ele destacou a preocupação do BDMG em atender os empresários desse segmento em Minas. “Como esse é o segmento que gera o maior número de empregos, queremos atuar, por meio de nossos parceiros, em todo o Estado de Minas Gerais”, afirmou.

O assessor de Economia da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Mauro Sayar Ferreira, também ministrou uma palestra sobre a conjuntura e as perspectivas econômicas para o ano de 2010. Os representantes das prefeituras de Uberlândia, São Sebastião do Paraíso, Além Paraíba e Belo Horizonte também estiveram presentes no Fórum para apresentar as ações do Fopemimpe em suas cidades.

Os participantes foram divididos em grupos temáticos para debater assuntos como “Inovação e Tecnologia”, “Capacitação e formação empreendedora”, “Comércio exterior”, “Informação”, “Investimento, Financiamento e crédito” e “Racionalização legal e burocrática”.

Integrantes

Além da Sede, integram o Fopemimpe a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), Secretaria de Estado de Fazenda (SEF), Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), Secretaria de Estado de Turismo (Setur), Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), Jucemg, BDMG e Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG).

Representando a iniciativa privada integram o Fórum o Sebrae-MG, Fiemg, Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Minas Gerais (Federaminas), Fecomércio, Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de Minas Gerais (Setcemg), Associação Comercial de Minas (AC Minas), Banco do Brasil e Organização das Cooperativas de Minas Gerais (Ocemg).