• Agenda

    maio 2010
    S T Q Q S S D
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Antonio Anastasia lança Atlas Eólico de Minas que indica mapaeamento do potencial de geração de energia com uso dos ventos

O governadorAntonio Anastasia apresentou, nesta sexta-feira (7), no Palácio Tiradentes, na Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, o Atlas Eólico de Minas Gerais, elaborado pela Cemig. O mapeamento indica que o potencial do Estado para a geração de energia eólica chega a 40 gigawatts (GW), a uma altura de 100 metros do solo.

O estudo revelou que o Norte de Minas, ao longo da Serra do Espinhaço, é a região com maior potencial eólico. O Triângulo Mineiro também apresenta boas condições para a instalação de parques eólicos. Foram consideradas a topografia e a vegetação, além da pressão atmosférica, temperatura, umidade do ar e medição dos ventos.

“Temos uma riqueza incomensurável em nossas mãos. Caberá agora à parceria entre o setor privado e a Cemig o desafio de termos instalado em Minas Gerais um parque eólico extremamente ambicioso que vá gerar essa energia de maneira positiva”, destacou o governador em seu pronunciamento.

O potencial de 40 GW é 3,5 vezes maior do que a capacidade da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, que será construída no Pará, e 2,7 vezes maior que a Usina de Itaipu. A grande vantagem é que a energia eólica não emite gases, não gera resíduos e tem impacto ambiental bem menor do que outras matrizes energéticas.

O Atlas orientará empreendedores e investidores interessados em energia eólica. A Cemig já está realizando estudos, em parceria com a empresa portuguesa EDP, para a instalação de um parque em Minas Gerais, e está aberta para firmar novas parcerias com a iniciativa privada.

“A Cemig entra com 49%, o setor privado com 51%, e aí podem explorar no Triângulo, no Norte, no Jequitinhonha, onde existe essa potencialidade. Então, estamos demonstrando que a energia existe, que a energia é limpa, e que, do ponto de vista econômico, ela é viável”, explicou o governador.

A produção do atlas teve um custo de R$ 2 milhões. O trabalho foi realizado pela consultoria Camargo Schubert, do Sul do país e foi feito a partir de softwares reconhecidos internacionalmente.

O presidente da Cemig, Djalma Morais, explicou que a tecnologia disponível atualmente faz com que a energia eólica seja economicamente viável, além de ser bem menos agressiva ao meio ambiente.

“Acreditamos que no momento em que você vai esgotando os empreendimentos hidrelétricos, os quais vão se tornando mais caros, a energia eólica pode se tornar também competitiva. Além de ser uma energia limpa, uma energia sem desgaste, uma energia sem muitos problemas ambientais. Praticamente nenhum problema ambiental. E nós acreditamos que ela pode ser viável também economicamente”, detalhou.

Parcerias

secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, José Carlos Carvalho, destacou que Minas Gerais vive um momento muito especial em função da sintonia entre o desenvolvimento econômico e o desenvolvimento sustentável.

“A Cemig se consagra hoje como uma empresa de energia em sintonia com o futuro, com tudo o que se discute para a modernização da matriz energética”, afirmou.

secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Sérgio Barroso, também ressaltou que todos os protocolos prevendo investimentos no Estado só são assinados atualmente se contemplarem os aspectos econômicos, sociais e sustentáveis, e afirmou que o Governo de Minas, através da Cemig, irá investir cada vez mais em fontes alternativas de energia, como a biomassa e as Pequenas Centrais Hidrelétricas.

“Precisamos dramaticamente de energia porque sabemos que sem energia não temos desenvolvimento econômico e sem o desenvolvimento econômico não temos desenvolvimento nenhum”, disse.

Energia eólica

A Cemig foi a primeira empresa brasileira a operar usinas eólicas, com a construção da Usina Morro do Camelinho, na cidade mineira de Gouveia, em 1994. Essa usina também foi a primeira a fornecer energia eólica para o sistema elétrico nacional. Tem quatro geradores com 250 kW de potência em cada e, atualmente, funciona parcialmente com três máquinas.

Em 2009, a Cemig, em parceria com a empresa IMPSA, líder latino-americana em energias renováveis, investiu na aquisição de três parques eólicos no Ceará com capacidade instalada de 99,6 MW. Em agosto, foi inaugurado o primeiro deles – o Parque Eólico de Praias de Parajuru, com extensão de 325 hectares e 19 aerogeradores, totalizando 28,5 MW.

A energia eólica é a que mais cresce no mundo, com uma taxa anual de evolução próxima a 30% nos últimos 10 anos. No Brasil, em 2009, a capacidade de geração de energia eólica cresceu 77,7% em relação ao ano anterior. Com isso, o país passou a ter capacidade instalada de 660 MW contra os 400 MW de 2008. Os dados do Conselho Global de Energia Eólica (Global Wind Energy Council – GWEC) mostram que a energia eólica brasileira cresceu mais do que o dobro da média mundial em 2009, que registrou aumento de 31%.

Apesar do crescimento da energia eólica no Brasil em 2009, segundo a EPE, a participação dessa fonte na matriz elétrica do país foi de apenas 0,2% do total de energia gerada no país no ano passado.

Indicadores do IBGE sobre desempenho industrial confirmam recuperação da economia em Minas Gerais

Os indicadores conjunturais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) relativos ao desempenho industrial continuam confirmando a recuperação da economia mineira. Os dados divulgados, nesta sexta-feira (7), destacam que a produção da indústria mineira cresceu 2,8% entre fevereiro e março. Já na comparação com março de 2009, a alta ficou em 22,4%. Também no primeiro trimestre de 2010 a indústria registrou expansões tanto em relação ao mesmo período do ano passado (25,3%) como no confronto com o trimestre imediatamente anterior (4,5%).

A alta de 22,4% frente a março de 2009 atingiu 10 dos 13 setores investigados. O desempenho positivo pode ser explicado, em grande parte, pelos desempenhos da metalurgia básica (44,2%), da indústria extrativa (56,4%), veículos automotores (14,7%), máquinas e equipamentos (68,1%), minerais não metálicos (19,1%) e alimentos (8,2%).

No acumulado no ano, segundo o IBGE, a alta de 25,3% foi consequência do desempenho de nove dos 13 ramos, com destaque para a metalurgia básica (59,9%), para a indústria extrativa (57,9%) e para as máquinas e equipamentos (106,7%). A média móvel trimestral avançou 2,3% entre fevereiro e março, mantendo a trajetória ascendente iniciada em março de 2009. Porém, o indicador da indústria mineira dos últimos 12 meses ainda está negativo em 2,7%, embora este índice também já demonstre recuperação, pois em fevereiro ela era de menos 5,8%.

No país, entre fevereiro e março, os índices regionais de produção industrial ajustados sazonalmente cresceram em 12 dos 14 locais pesquisados pelo IBGE. O destaque foi o crescimento da produção no Paraná com um índice de 18,6%. Em seguida, as maiores altas foram no Amazonas (10,1%), Pernambuco (4,4%), Rio Grande do Sul (4,1%) e Santa Catarina (3,7%), que cresceram acima da média nacional (2,8%). Completam a lista de locais com taxas positivas: Minas Gerais (2,8%), Espírito Santo (2,2%), Rio de Janeiro e região Nordeste (ambos com 1,8%), Bahia (0,9%), Pará (0,7%) e São Paulo (0,6%). Apenas Ceará (-0,3%) e Goiás (-6,8%) apresentaram recuos neste indicador.

No confronto com março de 2009, as 14 regiões registraram taxas positivas, que refletem a aceleração no ritmo da produção e também a base de comparação retraída, decorrente dos efeitos da crise econômica internacional.

Indicadores indústria

Antonio Anastasia defende maior diversificação da indústria mineira

O governador Antonio Anastasia defendeu, nesta quinta-feira (6), em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), maior diversificação da indústria mineira para que Minas Gerais entre na terceira fase de desenvolvimento econômico e social. Durante o programa Conexão Empresarial – Definindo Rumos 2010, promovido pela revista Viver Brasil, o governador afirmou que a indústria mineira deve agregar valor aos seus produtos, para garantir maior crescimento.

“Cabe ao poder público criar as condições de infraestrutura, saúde, educação e um clima amigável para garantir os investimentos. Todos os ingredientes para essa receita estão garantidos, cabe a nós mexermos nessa panela dando prosseguimento ao processo de desenvolvimento do Estado, que começou há sete anos, quando implantamos o Choque de Gestão em Minas. Mas temos que ter obsessão em agregar valor aos nossos produtos para deixarmos de ser só exportadores de matéria prima”, afirmou o governador Antonio Anastasia.

O governador destacou o esforço do Governo do Estado, nos últimos sete anos, para recuperar as contas públicas e garantir a retomada dos investimentos públicos e privados no Estado. Ele ressaltou a importância do Choque de Gestão, conjunto de medidas administrativas em 2003 nas diversas áreas da administração pública que possibilitaram a melhoria da qualidade na prestação dos serviços público e o avanço em indicadores sociais.

“Na primeira fase do governo, com a implantação do Choque de Gestão, mudamos não só a administração pública, que passou a premiar o servidor pelo seu desempenho, como implantamos ações voltadas para melhorar a infraestrutura de Minas para atrair novas empresas e garantir o desenvolvimento das já instaladas no Estado”, disse.

Infraestrutura

Durante o encontro, o governador ressaltou ainda a importância do programa Estado para Resultados, que definiu metas e prazos para todas as áreas de governo. Ao lado do Choque de Gestão, o Estado para Resultados foi responsável pela implantação de uma forte infraestrutura em Minas Gerais que abriu espaço para garantir a maior diversidade da economia e para que sejam implementadas políticas de desenvolvimento.

“A continuidade do desenvolvimento de Minas Gerais significa melhores oportunidades de trabalho, emprego e renda, e o consequente aquecimento da economia. O que significa maior inclusão social”, afirmou o governador.

A matéria prima para que o desenvolvimento de Minas continue sendo pleno existe em abundância, segundo o governador Antonio Anastasia. Ele acrescentou na sua palestra, que o otimismo do povo mineiro é um importante fator ponto que se soma à mão de obra qualificada para garantir o bom desempenho da economia mineira.

Nos últimos sete anos, importantes ações foram realizadas pelo Governo de Minas para melhorar a infraestrutura do Estado, como o Proacesso, programa de pavimentação de estradas que está levando asfaltamento a 225 cidades ainda com acesso por estradas de terra; o Minas Comunica, que universalizou o acesso ao sinal de telefonia celular e serviços de transmissão de dados em todas as cidades mineiras; e o programa Travessia, que garantiu o desenvolvimento das regiões mais carentes de Minas.

Participaram do encontro o presidente da Assembleia Legislativa, Alberto Pinto Coelho; e vários empresários como o presidente eleito da Fiemg, Olavo Machado; o presidente da Usiminas, Wilson Brumer; Eduardo Camargo, da Camargo Correa; Daniel Antônio, da Gerdal; Flávio Machado, da Construtora Andrade Gutierrez; além do ex-ministro Paulo Haddad.

Greve dos Professores é condenada em editorial do Jornal Hoje em Dia de Belo Horizonte

Não aos excessos

Fonte: Editorial – Jornal Hoje em Dia

Mais do que lamentáveis as cenas protagonizadas ontem, em Belo Horizonte, por professores grevistas das escolas estaduais, que partiram para o confronto com o pré-candidato à presidência da República pelo PSDB, José Serra. O presidenciável chegava para o primeiro debate público com suas concorrentes Dilma Roussef e Marina Silva, no 27º Congresso Mineiro dos Município, quando quase foi agredido por lideranças dos grevistas, na Expominas. Dilma, que entrou pelos fundos, e Marina Silva, que chegou mais cedo, escaparam da fúria dos manifestantes.

Destaque-se que professores grevistas já haviam realizado outra manifestação claramente contra o tucano José Serra, quando este visitou a Expo Zebu, em Uberaba, ainda nesta semana. Ontem, repetiram-se cenas lastimáveis, nada condizentes com o espírito hospitaleiro e educado do mineiro.

Em greve desde o dia 8, os professores de Minas têm, de fato, muito o que reivindicar. Infelizmente, estão tomando o perigoso caminho da desobediência e da baderna, o que não condiz, de forma alguma, com a profissão que exercem.
Aliás, que mau exemplo nossos educadores deram ontem aos alunos da escola pública. Primeiro, pelas agressões e o confronto com os partidários de José Serra, tucano como o Governo de Minas. Politizaram a greve.

Segundo, e, mais grave, é que, desde a terça-feira, o movimento grevista foi suspenso pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Quer dizer, além de a categoria não acatar a decisão judicial, decidiu manter o movimento e ainda promoveu manifestações agressivas.

Que os salários de nossos mestres são muito aquém das necessidades não é novidade para ninguém. Que eles carecem de instrumentos para se atualizarem também é inegável. Que enfrentam toda sorte de dificuldades nas salas de aula, é outro fato por demais conhecido.

Mas os professores – e as suas lideranças, especialmente – têm de se conscientizar de que no grito não se resolve nada, e o diálogo ainda é a melhor maneira de se chegar a um bom termo. Afinal, violência e berros não resultam em acordos, que é o essencial neste momento, para não pôr em risco o ano letivo.

Link do editorial: http://www.hojeemdia.com.br/cmlink/hoje-em-dia/colunas-artigos-e-blogs/blog-de-opini-o-1.10994/opini-o-do-hoje-n-o-aos-excessos-1.114609

Ação do Sindicato dos Professores é repudiada pela Juventude do PSDB que em nota condena uso da violência em manifestação

O Secretariado da Juventude do PSDB de Minas Gerais e a Juventude do PSDB de Belo Horizonte divulgaram, nesta sexta-feira, dia 7, nota oficial lamentando os incidentes ocorridos ontem, no 27º Congresso Mineiro de Municípios, realizado em Belo Horizonte. Confira:

Belo Horizonte, 07 de maio de 2010

Nota Oficial

As Juventudes do PSDB de Minas Gerais e de Belo Horizonte vêm, por meio dos seus presidentes, pela presente nota, se manifestar acerca dos fatos ocorridos em 06 de maio de 2010, quando do 27º Congresso Mineiro de Municípios.

1) Lamentamos o comportamento demonstrado pelos militantes do Sind-UTE no mencionado evento que ocorreu nessa quinta-feira, 06 de maio de 2010, no ExpoMinas em Belo Horizonte, Minas Gerais.

2) Nada justifica o uso de violência num evento organizado de maneira democrática, que visava o debate de idéias entre os presidenciáveis Dilma Roussef (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV), organizado no 27º Congresso Mineiro de Municípios. As agressões injustificáveis se tornam ainda mais absurdas quando partem de um grupo que diz estar agindo em nome de uma causa tão importante quanto a educação.

3) A motivação político eleitoral da presença dos sindicalistas filiados a CUT ficou evidente quando os manifestantes ignoraram a presença dos demais candidatos e voltaram toda sua agressividade APENAS ao candidato do PSDB, ex-governador do Estado de  São Paulo, José Serra. Ou seja, não se tratava de apresentar reivindicações de uma categoria, mas de hostilizar um candidato.

4) Ficou evidente o desrespeito às regras da organização do evento, a partir do momento em que os militantes do Sind-UTE invadiram, mediante explicita violência contra os organizadores, uma área reservada a imprensa e ao trânsito dos candidatos. Mais do que isso, foi constrangedor ver pessoas ao evento incorrerem no crime de falsa identidade, se fazendo passar por prefeitos para conseguirem crachás de identificação.

5) Causou espanto a truculência dos militantes que tentavam invadir o local do debate, cuja participação ficou restrita a prefeitos, dada capacidade limitada do local. Assombrou o uso da brutalidade que resultou na danificação das portas do ambiente, bem como discussões e agressões físicas aos seguranças do local que tentavam controlar o agito desproporcional.

6) Surpreendeu a todos os presentes a tentativa EXPLÍCITA de agressão física ao pré-candidato a Presidente da República José Serra. Tal fato somente não se consumou, pois diversos acadêmicos, estudantes secundaristas e outros jovens do PSDB constituíram um cordão de isolamento circundando o pré-candidato. Tais jovens sofreram com agressões físicas, como socos, pontapés, empurrões, e agressões verbais de toda espécie. Os militantes do Sind-UTE tentaram, ainda, atingir o pré-candidato lançando na direção dele vários objetos, como devidamente registrado pela imprensa.

7) Não acreditamos que a democracia seja feita com tais práticas. Não é a primeira vez que o Sind-UTE, de forma autoritária, utilizando métodos de tropa de assalto, tenta gerar fatos políticos negativos envolvendo o PSDB. Na última segunda-feira, dia 03 de maio de 2010, em Uberaba, na ExpoZebu, os mesmo métodos foram aplicados, com a mesma truculência e o mesmo desrespeito. Naquela oportunidade, também sob pretexto de estarem fazendo uma manifestação legítima de uma categorial profissional, os simpatizantes do sindicato demonstraram o caráter político da manifestação concentrando sua agressividade contra o candidato do PSDB. Antes, em Uberlândia, um pequeno grupo ligado ao sindicato tentou aos gritos impedir a realização de um evento com lideranças do PSDB. Nessa oportunidade, um militante do nosso partido precisou ser atendido no hospital. Fingindo estarem exercendo o legítimo direito a livre manifestação, os sindicalistas estão tentando transformar eventos pacíficos e democráticos em verdadeiras praças de guerra com o intuito de tentar criar noticiário negativo contra as lideranças do PSDB. Manifestação é uma coisa. Provocação é outra.

Minas é sabiamente a terra da hospitalidade e do diálogo, tradições que o Sind-UTE parece desconhecer. Não podemos confundir os professores de Minas Gerais com os sindicalistas que dizem agir em nome deles. Professores de Minas Gerais não agridem fisicamente. Tampouco gritam palavras ofensivas de baixo calão.

9) Fazemos votos para que o fato não se repita. O PSDB não será intimidado. Aos que querem impedir o livre debate, aos que querem confundir opinião pública com falsa informação, aos que querem conflitos, aos que querem, na base do grito, nos impedir de falar, responderemos com a nossa motivada disposição de continuarmos firmes defendendo as democráticas regras de respeito ao adversário. Nós creditamos em democracia. Nós praticamos democracia.

Adriano Faria

Presidente da Juventude do PSDB de Minas Gerais

Gabriel Sousa Marques de Azevedo

Secretário de Comunicação Social da Juventude Nacional do PSDB

Presidente da Juventude do PSDB de Belo Horizonte

Pré-candidato ao Governo de Minas, Anastasia já lidera pesquisa espontânea de voto

Pesquisa espontânea realizada pela Sensus apontou, na quinta-feira, o pré-candidato do PSDB ao governo de Minas Antonio Anastasia na liderança, em empate técnico com o candidato pemedebista, Hélio Costa. Anastasia aparece com 4,1%, e Costa atinge 4,5% dos eleitores. Anastasia tem também o segundo maior índice de desconhecimento entre os eleitores, 37%.Anastasia apontou os números da pesquisa Sensus, que o coloca na liderança, como estimulantes, dentro do previsto e que a tendência é de crescimento, com o maior conhecimento de sua candidatura por parte dos mineiros. Ele acrescentou que a campanha ainda não começou e que agora é tempo de conversas e de articulação política.

“Nesse meio tempo fazemos as conversas políticas, conversamos sobre a questão dos laços partidários, dos apoios políticos, então é uma conversa permanente que se faz. Mas eu estou muito animado, muito satisfeito. A receptividade das lideranças políticas e das pessoas no interior do Estado e mesmo na Capital tem sido extremamente positiva em meu nome e eu fico satisfeito porque me parece o reconhecimento de um trabalho coletivo realizado ao longo dos últimos sete anos sobre a liderança do governador Aécio Neves”, disse Anastasia.

A pesquisa, sob o registro nº 24128/2010 junto ao TRE, ouviu 1,5 mil pessoas, em 53 municípios, no período de 1º a 4 deste mês, e tem margem de erro de 2,5% tanto para mais quanto para menos. Os dados revelam ainda que os ex-governadores Aécio Neves e Itamar Franco têm a preferência do eleitorado, independentemente dos cenários apresentados.